Colunistas

Valmir Nascimento

Valmir Nascimento

Ataques a Paris e a banalidade do mal

Dom, 15/11/2015 por Valmir Nascimento

Anteontem o mundo presenciou mais um capítulo do terrorismo e da barbárie humana, com mais de 128 mortos e outros tantos feridos na capital francesa. De todo e qualquer ângulo que se observe, seja do ponto de vista da religião, da política ou das relações internacionais, a ação deve ser considerada odiosa e censurável.
A nova face do terror, porém, não são os fuzis automáticos e as bombas que explodem nos centros urbanos, mas sim a banalidade do mal em sua versão contemporânea.

"Banalidade do mal" foi o termo cunhado pela filósofa judia Hannah Arendt, em "Eichmann em Jerusalém", no sentido de que o mal se tornou trivial na sociedade massificada, na qual as pessoas são incapaz de fazer julgamentos morais.

A condescendência com o mal, a racionalização de seus motivos, as desculpas politico-internacionais e a terceirização da culpa, são alguns dos traços caracterizadores do fenômeno da banalização do mal em nosso tempo.

Apesar de importante a mobilização midiática e das redes sociais contra os atos de terrorismo não serão suficientes se estiverem fundamentadas no emocionalismo passageiro. A emoção passa e logo voltamos às trivialidades do nosso dia a dia. E o mal permanece, como o resultado do relativismo ético que insistem em dizer que é melhor para uma sociedade avançada.

Olho, pois, para as Escrituras e recordo de dois textos básicos para esse momento de dor e consternação. Um que traz conforto e outro que me conclama a uma postura diante da banalização da maldade:

"Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e o Deus de toda a consolação;
Que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, com a consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus" (2 Coríntios 1:3,4).

"Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem". (Romanos 12:21)

2 comentários

Pr.Erivaldo De Jesus

Parabéns ao Pr.Valmir Nascimento pelo comentário sensato e equilibrado!

Sérgio Luís

A paz do Senhor meu amado. Infelizmente, o irmão tem razão quando fala do relativismo e da banalização do mal. Ontem, a grande desgraça era a tragédia em Mariana; hoje são os atos terroristas em Paris... e amanhã? Comparando com o texto sagrado, parece que estamos vivendo o período dos juízes em Israel. No momento, oremos por todos aqueles que em nossa pátria ou na Europa, estão sofrendo as mazelas das desgraças deste mundo.

Deixe seu comentário







Perfil

Valmir Nascimento é ministro do evangelho, jurista, teólogo e mestrando em teologia. Possui pós-graduação em Direito e antropologia da religião. Professor universitário de Direito religioso, Ética e Teologia. Editor da Revista acadêmica Enfoque Teológico (FEICS). Membro e Diretor de Assuntos Acadêmicos da Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure). Analista Jurídico da Justiça Eleitoral. Escritor e palestrante. Comentarista de Lições Bíblicas de Jovens da CPAD (Jesus e o seu Tempo). Evangelista da Assembleia de Deus em Cuiabá/MT.

COLUNISTAS