Colunistas

Pr. Silas Daniel

Pr. Silas Daniel

A Igreja e o avanço da iniquidade no final dos tempos (Parte 1)

Qua, 28/07/2021 por

Em Mateus 24.12, Jesus advertiu que, no final dos tempos, a iniquidade não diminuiria, mas se multiplicaria, e o verdadeiro amor se tornaria cada vez mais raro. Isso significa que os vícios humanos, infelizmente, continuarão avançando, chegando ao ponto, como o texto parece sugerir, de serem tratados como grandes virtudes, o que lembra Isaías 5.20,21,24.

O apóstolo Paulo, por sua vez, fala de “tempos difíceis” ou “tempos trabalhosos” para os cristãos no final dos tempos (2Tm 3.1-5). Os homens realmente vão “de mal a pior, enganando e sendo enganados” (2Tm 3.13). Apesar de todo o acúmulo de conhecimento e do desenvolvimento gigantesco da ciência e da tecnologia, nunca houve tantas atrocidades e males sociais como nestes dois últimos séculos. Isso porque avanço tecnológico e aumento de conhecimento científico não mudam caráter, não transformam vidas espiritualmente. Na essência, o homem ainda é o mesmo, corrompido e carente de salvação.

Uma das artes do demônio é se camuflar de anjo de luz (2Co 11.14). Logo, não impressiona que a velha barbárie saia paulatinamente de seu último casulo com uma máscara de “progresso”, um frontispício mais bem caiado a esconder suas interioridades mefíticas. A defesa do aborto e da eutanásia; a liberação das drogas; a destruição do conceito natural de família; o decremento do poder parental; a exaltação de comportamentos reprováveis; a legitimação de comportamentros psicóticos como sendo saudáveis; o depreciamento de comportamentos sociais saudáveis; o hedonismo; o relativismo moral; a destruição e a inversão dos valores; o controle orwelliano da linguagem; tudo isso nada mais é do que a volta dos bárbaros, mas agora com uma face simpática, asseada e envernizada, além de apoiada em um sentimentalismo tóxico. Nós, porém, não nos iludimos com a fachada, pois não ignoramos o conteúdo. É preciso remar contra a maré deste mundo, contra as ondas do zeitgeist deste tempo. “Não vos conformeis com este mundo” (Rm 12.3).

Jesus falou várias vezes que seus seguidores seriam perseguidos (Mt 5.10-12; 10.16-22; Jo 17.14). Aliás, é nesse sentido que Ele faz a sua célebre declaração de que não veio “trazer a paz, mas a espada”, explicando em seguida que se referia ao fato de que muitos cristãos sofreriam fortíssima oposição, até mesmo de seus próprios familiares (Mt 10.34-39). Porém, um detalhe muito importante a ser frisado sobre esse assunto – mas pouco lembrado hoje em dia – é que Jesus não se referiu a essa perseguição como algo que aconteceria apenas nos dias dos apóstolos. Ele também falou de uma perseguição em um contexto escatológico, apontando para um futuro mais distante, quando seus seguidores sofreriam uma oposição mundial (“Sereis odiados de todas as nações”) na qual seriam grandemente “atribulados”, com muitos mártires dentre eles (Mt 24.9-13). Ora, segundo dados de agências especializadas, é maior o número de mártires cristãos nos séculos 20 e 21 do que em qualquer outra época da história da igreja.

O apóstolo Paulo asseverou que “o Dia de Cristo” – isto é, do retorno de Jesus – não havia chegado ainda, como muitos (provavelmente mestres gnósticos) apregoavam erroneamente em seus dias, “quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola” (2Ts 2.2). Depois, acrescentou que Jesus não retornaria “sem que antes venha a apostasia” (2Ts 2.3), embora “o mistério da iniquidade” já operasse em sua geração e haveria de continuar atuando durante muito tempo (2Ts 2.7). O termo traduzido como “apostasia” em 2 Tessalonicenses 2.3 é, no original grego, aphistêmi, que significa “abandonar”, “afastar-se”, “rebelar-se”. Já “iniquidade”, em 2 Tessalonicenses 2.7, é, no original grego, anomias, que significa “total desrespeito à lei”, “falta de conformidade à lei”, “impiedade”. É o mesmo vocábulo que aparece em Mateus 24.12, onde Jesus descreve o cenário social e espiritual do mundo no final dos tempos. Logo, “mistério da iniquidade” é uma alusão a um espírito de total desapego, inconformidade, falta de temor e de respeito em relação às normas divinas; é um espírito de completa desobediência e afastamento dos valores divinos para vida do ser humano, e que, segundo Jesus, se multiplicará de tal forma no final dos tempos que marcará fortemente o último cenário da humanidade antes do retorno dEle. O “mistério da iniquidade”, que é outro nome para o zeitgeist do final dos tempos, é o precursor da “apostasia”.

Ainda falando sobre esse zeitgeist, Paulo diz que Deus permitirá que venha sobre os homens a “operação do erro” para que “deem crédito à mentira” (2Ts 2.10); e em outra passagem, escrevendo a seu discípulo Timóteo, Paulo afirma que “haverá tempo em que não suportarão à sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres, segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos; e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se a fábulas” (2Tm 4.3,4). Ou seja, as pessoas não apenas serão enganadas: elas aceitarão a mentira porque elas desejarão ser enganadas. Elas estarão como que enfeitiçadas, cegas e hipnotizadas pelo seu amor à mentira. Não desejarão a verdade para se salvarem, mas a rejeitarão, porque esta lhes incomodará, ser-lhes-á extremamente desagradável. É a “operação do erro” em seu apogeu.

O apóstolo João ressalta esse espírito do final dos tempos, o qual denomina de “o espírito do anticristo”, ou seja, um espírito de forte oposição aos valores cristãos: “E todo o espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne [isto é, nega que o Cristo, o Messias, que é Deus, realmente tenha encarnado] não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, do qual já ouvistes que há de vir, e eis que já está no mundo” (1Jo 4.3).

Sobre os frutos dessa onda, Jesus disse ainda: “Quando o Filho do Homem [Ele, Jesus] voltar, porventura achará fé na Terra?” (Lc 18.8). E Paulo alerta para que não nos iludamos, porque “o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios; pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência” (1Tm 4.1,2).

27 comentários

Rick Reis

2°parte:Outra coisa que poderia ser falada aqui é sobre satanismo nas produções culturais(filmes, novelas séries, desenhos, etc), o prejudica o desenvolvimento dos filhos de crentes e descrentes. Eu falo isso porque já li a bíblia satânica de Anton LaVey, e se você comparar as ideias dos protagonistas e/ou heróis de filmes populares(e afins) verá que a Tv ensina satanismo de forma muito + explícita que o próprio satanismo. A verdade é que muitos autodeclaraçãos crentes são satanistas sem saber.

Rick Reis

Ótimo texto! Gostaria muito de ler exemplos detalhados dos fatos manifestos no artigo. Por exemplo: o cristão e a arte(TV e internet).

Daniel Ferreira

Que o Mundo e sua ideologia é podre, o sabemos desde sempre. O que nos surpreende é o tanto de líderes que se dizem crentes apostatando da fé e dando ouvidos a doutrina de demônios, levando multidões para o erro. Quando Jesus voltar ele encontrará fé na terra??? Quem poderá, diante do período de trevas em que vivemos, responder positivamente tão inquietante pergunta?

Daniel Ferreira

Paragrafo sete e oito: Primeiro artigo da série “A Igreja e o avanço da iniquidade no final dos tempos (Parte 1)” finalizada com chave de ouro. O espírito do anticristo opera desde sempre no mundo, mas nestes dias finais opera de um modo dramático e diante de todos.

Daniel Ferreira

“Ou seja, as pessoas não apenas serão enganadas: elas aceitarão a mentira porque elas desejarão ser enganadas. Elas estarão como que enfeitiçadas, cegas e hipnotizadas pelo seu amor à mentira. Não desejarão a verdade para se salvarem, mas a rejeitarão, porque esta lhes incomodará, ser-lhes-á extremamente desagradável. É a “operação do erro” em seu apogeu”

Daniel Ferreira

“haverá tempo em que não suportarão à sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres, segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos; e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se a fábulas” (2Tm 4.3,4).”

Daniel Ferreira

Paragrafo seis: uma jóia teológica que não precisa de comentário nenhum: “Ainda falando sobre esse zeitgeist, Paulo diz que Deus permitirá que venha sobre os homens a “operação do erro” para que “deem crédito à mentira” (2Ts 2.10); e em outra passagem, escrevendo a seu discípulo Timóteo, Paulo afirma que

Daniel Ferreira

Nasci nos anos oitenta, portanto sou um millenium. Jamais eu poderia imaginar que em tão pouco tempo a decadência do Ocidente em seus costumes e valores se daria tão rápido!

Daniel Ferreira

Paragrafo cinco: A Apostasia e a Iniquidade dos dias em que vivemos. Já faz muito tempo que eu passei a ver na apostasia da igreja hodierna e na extrema iniquidade da sociedade pós-moderna o prenúncio iminente do fim dos tempos e da volta de Cristo (leia-se e entenda-se “apostasia” como o afastamento da igreja dos princípios bíblicos deixados por Cristo e pelos apóstolos e “iniquidade” como a corrupção de todos os valores do judaico-cristianismo. A explicação é simples mas será bem entendida.)

Daniel Ferreira

Paragrafo quatro: o crente que quiser realmente ser inimigo do Mundo sofrerá perseguição implacável. Para nós no Brasil — que vivemos em um ambiente de grande liberdade religiosa, a perseguição dos nossos irmãos de fé nos países hostis ao Cristianismo é algo distante e indiferente. Somente aqueles que leem sobre a terrível perseguição que acontece com os cristãos nos países anticristãos sabem quão terrível é aquela realidade. Oremos sem cessar pelos irmãos nos países onde a igreja é perseguida

Daniel Ferreira

“É preciso remar contra a maré deste mundo, contra as ondas do zeitgeist deste tempo. “Não vos conformeis com este mundo” (Rm 12.3).” Zeitegeist é uma expressão alemã que significa “o espírito do tempo”. Seria o mesmo que dizer “a cosmovisão entre os seres humanos do tempo em que vivemos”, ou “como a sociedade em geral vê o mundo no tempo em que ela vive”. O zeitegeist atual é o do pós-modernismo, onde tudo o que era sagrado ou certo passou a ser questionado de modo violento.

Daniel Ferreira

“O controle orwelliano da linguagem” Aqui temos o uso do politicamente correto na linguagem e de um novo conceito de linguagem homossexual. Toda essa bagunça de nomenclatura de gêneros, toda essa idiotice e aberração de gêneros fora do conceito bíblico e biológico de macho e fêmea é o velho homossexualismo com roupagem nova. Essa aberração de dizer “todes” para quem não se considera homem nem mulher é só o começo de uma satânica invasão da linguagem gerida nas maiores profundezas do Inferno!

Daniel Ferreira

“A destruição e a inversão dos valores” Praticamente todas as coisas que eram vergonhosas há um tempo atrás, hoje são louvadas e incentivadas! Os crentes conservadores são os que mais sofrem com isso! As crianças e a juventude cristã devem ser ensinadas sem descanso acerca da destruição dos valores judaico-cristãos com dois mil anos de história, para não acharem que essa bagunça no mundo atual seja algo normal!

Daniel Ferreira

“O relativismo moral” É a filosofia de que cada um sabe o que é melhor para si e ninguém deve se intrometer na vida de ninguém. Tudo é uma questão de pontos de vista. “Então se para mim o aborto é um direito da mulher, não me venha falar que aborto é assassinato. Esse é apenas o seu ponto de vista.” No relativismo moral, o Cristianismo é apenas mais uma religião qualquer.

Daniel Ferreira

“O hedonismo” Hedonismo é a busca desenfreada pelo prazer pessoal. O ser humano faz de tudo para se auto satisfazer. Cirurgias estéticas; frequentar academias de forma viciante; a busca pelo corpo perfeito; a busca pelos bens materiais de forma louca... enfim, busca-se muito para si e nada para os outros. O ser humano pós-moderno que segue o hedonismo vive apenas para si e em função de si.

Daniel Ferreira

“O depreciamento de comportamentos sociais saudáveis” O namoro puro e inocente, que um dia já foi motivo de orgulho para muitos, hoje em dia é coisa rara, e quando o há, é motivo de chacotas e escárnio! O número de prostituição entre namoros de crentes é alarmante! Muitos comportamentos sociais saudáveis que foram destruídos nos vêm à mente, mas queremos citar apenas este.

Daniel Ferreira

“A legitimação de comportamentos psicóticos como sendo saudáveis”: Tudo começou com tatuagens, que na minha visão de crente pentecostal sempre foi tida como abomináveis! Depois vieram os piercings. Depois tatuagens no rosto. E agora a moda é, acreditem se quiser, as satânicas, diabólicas e abomináveis modificações corporais! Uma busca no Google pelo assunto deixará qualquer crente conservador com os cabelos em pé! As pessoas estão buscando desesperadamente se parecerem com monstros!

Daniel Ferreira

“A exaltação de comportamentos reprováveis” A mídia e a sociedade moderna endeusam o divórcio; as drogas; o estilo de vida homossexual; o sensualismo; as farras e bebedeiras, o ataque a religião; a promiscuidade sexual; o palavrão (hoje até mesmo sendo proferido entre crentes)... enfim, práticas que a trinta anos atrás dariam cadeia, hoje são tidas como coisas saudáveis de pessoas legais e descoladas.

Daniel Ferreira

Os governos retiram o direito dos pais castigarem seus filhos e depois querem saber por que não se respeita-se mais as autoridades constituídas e a polícia!

Daniel Ferreira

“O decrescimento do poder parental” Em todo o Ocidente os governos a esquerda ou à direita tem tirado dos pais o direito de educar as crianças com palmadas ou com castigos físicos. Somos contrários a toda violência física exacerbada contra as crianças, mas uma chinelada ou uma palmada jamais mataram nenhuma criança e a Bíblia recomenda que se eduque a criança com a vara!

Daniel Ferreira

“A destruição do conceito natural de família” o conceito eterno dado diretamente por Deus no Éden é que uma família se constitui de homem, mulher e filhos, mais especificamente um casal heterossexual e filhos. O Homossexualismo e todos os tipos de famílias heterodoxas do pós-modernismo foram engendrados no próprio inferno. Vivemos dias difíceis!

Daniel Ferreira

“A liberação das drogas” uma das ideias mais horrendas que vai ganhando mais adeptos a cada dia! Somente quem já teve (ou tem) um familiar destruído pelas drogas sabe dos malefícios sem precedentes de tal tragédia! A liberação das drogas não deveria ser sequer ao menos discutida — quanto mais liberada!

Daniel Ferreira

“A defesa do aborto e da eutanásia” o Pós-Modernismo defende escancaradamente a morte das crianças no ventre das suas mães, num caso de assassinato explícito e hediondo! O aborto deliberado é assassinato, e como tal deve ser combatido sem tréguas! A eutanásia é o direito da pessoa morrer para não sofrer mais. Sob a ideia de humanismo, para libertar a pessoa da dor, a eutanásia é uma falácia e não passa de assassinato puro e simples. Só Deus pode dar a vida e somente ele pode tirá-la!

Daniel Ferreira

Paragrafo três: II Coríntios 11.14-15 “E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras.” O diabo tem seus homens na religião, promovendo heresias e dissensões. Mas Satanás também tem seus homens na cultura humana, os quais, através das filosofias, ideologias e políticas ímpias procuram corromper toda a cosmovisão cristã!

Daniel Ferreira

Paragrafo dois: vivemos os dias profetizados por Paulo: os tempos são difíceis e trabalhosos e os homens vão enganando e sendo enganados. Todos os inventos tecnológicos, que deveriam ser feitos para levar os homens a uma vida melhor, foram corrompidos pelo pecado e tem transformado os seres humanos em seres extremamente egoístas e perversos. E nós, enquanto cristãos, devemos usufruir da tecnologia, mas jamais nos contaminarmos com ela como os ímpios.

Daniel Ferreira

A iniquidade aumenta de forma avassaladora no mundo e o amor entre os seres humanos esfria de forma glacial — refletindo tal frieza de modo estarrecedor na Igreja.

Daniel Ferreira

Artigo verdadeiramente instigante. Comentando o Artigo “A Igreja e o avanço da iniquidade no final dos tempos (Parte 1)” Paragrafo um: “Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo!” Isaías 5.20 Cumpre-se literalmente em nossos dias tão eloquente profecia: o Pós-modernismo veio para destruir dois mil anos de todos os valores da cultura judaico-cristã.

Deixe seu comentário







Perfil

Silas Daniel é pastor, jornalista, chefe de Jornalismo da CPAD e escritor. Autor dos livros “Reflexão sobre a alma e o tempo”, “Habacuque – a vitória da fé em meio ao caos”, “História da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil”, “Como vencer a frustração espiritual” e “A Sedução das Novas Teologias”, todos títulos da CPAD, tendo este último conquistado o Prêmio Areté da Associação de Editores Cristãos (Asec) como Melhor Obra de Apologética Cristã no Brasil em 2008.

COLUNISTAS