Colunistas

Pr. Silas Daniel

Pr. Silas Daniel

Vitória conservadora na Austrália, ofensiva contra aborto nos EUA e manifestações no Brasil

Qui, 23/05/2019 por

Indubitavelmente, há uma onda conservadora no mundo nos últimos anos. Alguns eventos nos mostram isso. Se não, vejamos.

Em 2016, quando toda a mídia defendia o perdão aos crimes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e a sua transformação em partido político, o plebiscito que decidiu esse assunto deu vitória ao "Não", quando todas as pesquisas mostravam a vitória do "Sim".

Ainda em 2016, quando toda a mídia se opunha à aprovação do Brexit e todas as pesquisas no Reino Britânico apontavam para a derrota do Brexit, o plebiscito sobre o assunto deu vitória ao Brexit.

Também em 2016, quando toda a mídia se opunha à eleição de Donald Trump para presidente dos Estados Unidos e todas as pesquisas apontavam para a vitória da candidata democrata Hillary Clinton, Trump foi eleito o 45o presidente daquele país.

Em 2018, quando toda a mídia se opunha à eleição de Jair Bolsonaro para presidente do Brasil e todas as pesquisas davam como certa a sua derrota, Bolsonaro foi eleito presidente do nosso país.

Neste ano, na Austrália, quando toda a mídia se opunha à reeleição do primeiro-ministro Scott Morrison, o primeiro primeiro-ministro pentecostal daquele país, e todas as pesquisas apontavam para sua derrota, Morrison foi reeleito.

O que há de padrão em tudo isso?

Em todos os casos, temos pautas (Brexit e não às Farc) e nomes (Trump, Bolsonaro, Scott Morrison) politicamente conservadores vencendo.

Em todos os casos, vemos a mídia e o establishment se opondo a pautas e nomes politicamente conservadores.

Em todos os casos, temos as pesquisas errando sempre a favor dos progressistas e contra pautas e nomes politicamente conservadores.

Isso diz alguma coisa? Será coincidência?

Se fosse só em um país ou outro, poderíamos dizer que não é um padrão. Mas, ao contrário, a coisa se dá sempre da mesma forma em países totalmente diferentes (Colômbia, Inglaterra, EUA, Brasil e Austrália). E olha que ainda temos a vitória dos conservadores nas últimas eleições na Hungria, Polônia e na Itália (onde a oposição também foi ferrenha). Sem falar também da ofensiva contra o aborto nos EUA nas últimas semanas: Alabama proibindo o aborto desde a concepção; Geórgia, Ohio, Mississipi e Kentucky proibindo o aborto a partir da detecção dos primeiros batimentos cardíacos da criança no ventre; e Missouri proibindo o aborto a partir da oitava semana de gravidez. E ainda há mais estados se movimentando no sentido de avançar normas de restrição ao aborto. Lembrando que o aborto foi liberado nos EUA em 1973, pela Suprema Corte, no julgamento do caso Roe versus Wade.

Isso diz muita coisa. Há, sim, uma onda conservadora no Ocidente contra a qual todo o establishment luta com todas as forças.


Mais sobre esses assuntos na próxima edição do programa O Cristão e o Mundo (edição 41) na TV CPAD, que vai ao ar hoje à tarde. Nela, abordaremos também as manifestações deste final de semana no Brasil. Não perca. Assista ao programa AQUI ou AQUI.

2 comentários

Silas Daniel

Amém, Rafael. E obrigado pelas palavras de apreço e motivação.

Rafael

Ótimo documentário Pastor Silas, muito esclarecedor. Que possamos a cada vez mais ter acesso a verdade, porque de maneira nenhuma temos que nos pautar apenas no que a midia mostra e não buscarmos o conhecimento, se formos cegos seremos facilmente guiados por qualquer caminho, mais quando se tem o conhecimento é diferente, Oremos a JESUS , DEUS te abençoe.

Deixe seu comentário







Perfil

Silas Daniel é pastor, jornalista, chefe de Jornalismo da CPAD e escritor. Autor dos livros “Reflexão sobre a alma e o tempo”, “Habacuque – a vitória da fé em meio ao caos”, “História da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil”, “Como vencer a frustração espiritual” e “A Sedução das Novas Teologias”, todos títulos da CPAD, tendo este último conquistado o Prêmio Areté da Associação de Editores Cristãos (Asec) como Melhor Obra de Apologética Cristã no Brasil em 2008.

COLUNISTAS