Colunistas

Pr. José Wellington

Pr. José Wellington

Conservando a visão da glória de Deus: uma reflexão sobre Isaías 6.1-8

Seg, 17/08/2015 por José Wellington

De acordo com os estudiosos, Isaías, um dos principais nomes do Antigo Testamento, era descendente de família nobre na cidade de Jerusalém. Ele era culto, poeta, profeta de Deus e convivia com a realeza. Há quem diga ter Isaías sido conselheiro para assuntos internacionais no reino de Judá. Embora possuísse todos esses dotes, Isaías foi escolhido para ser profeta, e precisava de um toque de Deus em sua vida.

Há pessoas que quando são abençoadas pelo Senhor e crescem um pouco se distanciam de Deus. Alguns chegam a imitar os crentes de Laodicéia, dizendo: “Rico sou e de nada tenho falta” (Ap 3.17). Perdem a visão da glória de Deus passando a enxergar somente as coisas negativas que se passam na vida dos outros.

Como crente, veja o trabalhar de Deus na sua e na vida da Igreja! O Oleiro está fazendo a obra dEle. Ele está consertando vasos quebrados. É projeto de Deus estar constantemente mostrando coisas novas que não conhecíamos. Percebemos isso quando o profeta Jeremias foi chamado e o Senhor lhe perguntou: “O que vês?”. Ao profeta Zacarias, Ele também disse: “O que vês?”. Zaqueu precisou subir em uma figueira quando foi despertado para ver Jesus. Isaías era crente, Deus queria mostrar a ele coisas maiores, uma nova dimensão da Sua glória.

Entende-se que Isaías estava tão distraído, envolvido com o reino de Judá, que se outro profeta viesse lhe mostrar algo ele provavelmente não se interessaria. Foi preciso Deus mandar serafins para lhe mostrar uma nova dimensão da Sua glória. “No ano que morreu o rei Uzias...” - seria esse o obstáculo? Deus tirou. Então, Isaías disse: “Eu vi...”. Deus está sempre disposto a nos mostrar coisas grandes e firmes que não sabemos, mas nem sempre estamos em condições de ver a glória dEle.

Jesus queria ressuscitar Lázaro, mas havia um obstáculo, e Ele ordenou: “Tirai a pedra”. Há pessoas que guardam defuntos no coração que estão exalando mau cheiro. Hoje, Deus ordena-lhes: “Tirai a pedra”. O teu Lázaro vai ressuscitar! Você verá a glória de Deus!

O Senhor queria debelar a tempestade, mas Jonas estava lá. Jogue o Jonas no mar, e você verá a glória de Deus. O Senhor queria dar a vitória a Josué, mas o Acã estava lá. Tire o Acã, a túnica babilônica, a cobiça do coração, e verás a glória de Deus.

Quando temos uma boa visão da glória de Deus, rejeitamos as polpudas propostas mundanas. Moisés tinha uma boa visão da glória de Deus, rejeitou ser chamado neto de Faraó; José não aceitou as propostas amorosas da mulher de Potifar, e sua visão e fidelidade levaram-no a ver a glória de Deus. Deus mostrou a Isaías o Seu alto e sublime trono, ali está a soberania. Nesse alto estágio espiritual, a mensagem é: “Santo, santo, santo”. Isaías viu! Você também deseja ver? Quando vemos, os muros caem, o mar se abre, o inimigo corre, os coxos andam, os cegos vêem.

Isaías precisou ter seus lábios queimados, pois Deus exige santidade. Quando perdemos a visão da glória de Deus, nos conformamos com a do mundo. É o Seu desejo revelar coisas maiores que nos levarão para uma nova dimensão em nossa vida espiritual.

2 comentários

Ricardo

Que palavra maravilhosa, Deus lhe abençoe...

Sérgio Luís

Pr.Wellington, quantas saudades!A paz do Senhor. Nestes dias em que as bênçãos de Deus,ficam restritas ao nível material,é urgente que textos como este sejam comuns em nossos púlpitos. Deus o abençoe.

Deixe seu comentário







Perfil

José Wellington é presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), presidente da Convenção Fraternal e Interestadual das Assembleias de Deus do Ministério do Belém no Estado de São Paulo (Confradesp), membro da diretoria do Comitê Mundial das Assembleias de Deus e do Comitê Mundial Pentecostal, e autor do livro “Como ter um ministério bem-sucedido”, título da CPAD.

COLUNISTAS