20/07/2011 10:40

Carpideiras: A mais antiga profissional do luto

Presente nos velórios do Antigo e Novo Testamentos, as carpideiras subsistem até na pós-modernidade

“Apressem-se e levantem sobre nós o seu lamento, para que os nossos olhos se desfaçam em lágrimas, e as nossas pálpebras destilem água” (Jr 9.18).

Em 2007, as maravilhosas atrizes Marieta Severo e Andréa Beltrão encenaram uma peça chamada “As Centenárias”, escrita por Newton Moreno e dirigida por Aderbal Freire-Filho. A peça descreve com humor e ironia a estória de duas carpideiras que percorrem velórios com suas lamúrias e contando causos do interior do Nordeste. Embora a peça seja uma ficção, não está longe da verdade. Vejamos o que diz a Bíblia a respeito dessas respeitáveis mulheres do pranto.

No contexto do Antigo Testamento, encontramos mulheres profissionais do pranto e do luto. Essas senhoras eram conhecidas pela alcunha de “carpideiras”, no hebraico lameqōnenōt – literalmente, aquelas que são como fontes de lágrimas. Essas profissionais eram contratadas para lamentar, chorar, e lamuriar nos velórios. Por esta razão é que a NVI traduz o termo hebraico por “pranteadoras profissionais” em Jeremias 9.17.

Esperava-se que através da simulação de angústia e dor manifestadas por estas mulheres, o participante lutuoso fosse contagiado pela tristeza e aflição, como afirma o profeta das lágrimas:

Apressem-se e levantem sobre nós o seu lamento, para que os nossos olhos se desfaçam em lágrimas, e as nossas pálpebras destilem água (Jr 9.18).

O principal objetivo era levar os partícipes ao choro e lamento, mesmo que o defunto não merecesse. Isso me fez lembrar um causo muito interessante. Certa ocasião, em minhas andanças pelo Brasil como professor de Teologia, fui convidado para o velório de um ex-prefeito que seria realizado na magna Câmara Municipal da cidade. Mesmo que se coloque uma faca em meu pescoço eu jamais direi o nome do lugar! Perguntei se o defunto fizera uma boa administração, mas, disseram que além de péssimo administrador ainda vendera a única praça da cidade sem entregar o referido valor aos cofres públicos. Não houve uma carpideira sequer para chorar a ida desse mais novo geólogo aos campos santos. O clima parecia mais de contentamento do que contrição. Perdoe-me a família do falecido!

Iconografias do século XV e XIV a.C. na cidade egípcia de Tebas, demonstram que esse ofício era conhecido não somente em Israel, mas em todo Antigo Oriente. A profissão se perpetuou passando incólume por todos os grandes impérios: Babilônia, Assíria, Grécia, Roma e também no Brasil. Afinal, qual político não necessita de uma carpideira para chorar sua desventura? No Brasil, por exemplo, elas chegaram com a colonização portuguesa. Caso você não saiba, a senhora Itha Rocha é a carpideira mais famosa do Brasil. Essa profissional do pranto, com todo respeito, procede de uma longa ascendência de pranteadoras. Já chorou até no velório de Clodovil Hernandes, no entanto, ela disse ao repórter Vagner Magalhães: “O que interessa é o gesto humano. Demonstrar laços como se fôssemos parentes, irmãos". Certo incógnito disse-me uma vez que, em um velório em SC, a carpideira contratada parecia mais a viúva do falecido. Por curiosidade, perguntei a razão pelo qual ele chegou a essa constatação metafísica e ouvi atentamente a seguinte resposta: “além de ela chorar, não parava de beijar o cadáver!”. Que dureza!!!!!

As lamuriantes contratadas vestiam-se de preto e não costumavam usar perfume. Em 2 Samuel 14.2 é citado o caso de uma mulher astuta contratada por Joabe para simular um luto perante o rei Davi, diz a Escritura:

Finge que estás profundamente triste, põe vestido de luto, não te unjas com óleo e sê como mulher que há muitos dias está de luto por algum morto.

Interessante como o escritor Newton Moreno captou com mestria a farsa lamuriante das carpideiras, assim como Joabe, ao descrever o encontro de Socorro (Marieta) com Zaninha (Beltrão). Zaninha encanta-se com a profissão de Socorro e deseja saber o segredo da arte do carpir. Prontamente, a personagem alerta: para ser uma boa carpideira é necessário, em primeiro lugar, ser mãe, para que sinta medo da perda e, depois, um forte respeito à morte. Lembremos que Jeremias afirmava que esta profissão era passada de mãe para filha.

Assim como a carpideira de Tecoa, contratada por Joabe, existiam muitas outras em Israel cujo ofício era hereditário, conforme Jeremias 9.20:

Ouvi, pois, vós, mulheres, a palavra do SENHOR, e os vossos ouvidos recebam a palavra da sua boca; ensinai o pranto a vossas filhas; e, cada uma à sua companheira, a lamentação.

As pranteadoras contratadas são chamadas de “mulheres hábeis” (’iššâ hakāmôt):

Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Considerai e chamai carpideiras, para que venham; mandai procurar mulheres hábeis (’iššâ hakāmôt), para que venham (Jr 9.17).

O termo hakāmôt que é o plural feminino de hakāmâ (sabedoria), significa “sábia”, entretanto, à luz do contexto, não se trata de “mulheres sábias”, tal qual traduzido pela Septuaginta (LXX) e seguido pela ARC, mas de “mulheres habilidosas”. A TEB traduz por “melhores” (9.16), isto é, “melhores em sua arte”, “em sua profissão”, “hábeis na lamentação fúnebre”. Brenner, comentando sobre a expressão em apreço afirma:
 

  • Uma carpideira profissional, portanto, tinha de aprender e ser versada na poesia peculiar à sua ocupação. A “sabedoria” das mulheres carpideira consistia em sua habilidade vocacional (isso surge da estrutura poética do versículo 16 [17]: “mulheres carpideiras” na primeira coluna do verso, comparadas com hakāmôt, na segunda coluna). Portanto, o termo hakāmôt, aqui deveria ser traduzido por “mulheres habilidosas”, e não “mulheres sábias”. [1]


As celebrações fúnebres costumavam durar cerca de sete dias (Gn 50.10). Essas profissionais permaneciam durante todo o tempo em que durasse o luto, a elegia. A habilidade das carpideiras não se circunscrevia apenas a chorar, mas eram também exímias endechadoras, especialistas em compor e cantar cânticos fúnebres. Atualmente, os cânticos fúnebres entoados pelas carpideiras são chamados de incelenças. Muitas endechas (canções fúnebres) se popularizaram tornando-se parlendas infantis, pelas quais as crianças brincavam nas praças (Mt 11. 16,17):

Mas a quem compararei esta geração? É semelhante a meninos que, sentados nas praças, gritam aos companheiros: ‘Nós vos tocamos flauta, e não dançastes; entoamos lamentações, e não pranteastes.

As habilidades das carpideiras iam além do pranto e das endechas. Essas profissionais se aperfeiçoaram tanto em sua arte que aliavam a técnica do choro e do cântico fúnebre às artes cênicas. Eram especialistas em representar, encenar situações que visavam entre outras coisas ludibriar a outrem. As qualidades cênicas de algumas dessas mulheres são facilmente perceptíveis em 2 Samuel 14.1-24.

A quem você atribuiria hoje esse papel de carpideira!?

Se a custo choram estas donzelas
Sem conhecer o morto, tão artificial,
Receberá com justos juros no funeral
Quem for prantear as mortes delas?

Francisco Libânio [2]

Confira mais informações em nossa obra: A Família no Antigo Testamento: História e Sociologia. Rj: CPAD.

Mosaico

Conselho Pessoal: Senhoras carpideiras, leiam a obra de Augusto dos Anjos, o doutor tristeza! Pelo menos o velório terá cara de velório!

Outro significado da palavra carpideira: Bras. Máquina agrícola para capinar, também chamada capinadeira.

Publicidade usadas por essas profissionais: Animamos qualquer velório! Empresa com vasta experiência em exportação para o além, oferece exclusivo serviço capaz de transformar qualquer enterro numa festa. Você entra com o defunto, e nós entramos com o acompanhamento. Oferecemos carpideiras, café, biscoito, água e muitas piadas inéditas. Sorria, porque nós choramos por você! Nosso lema é enterrar bem, para enterrar sempre!!!

Notas
1. BRENNER, Athalya. A mulher israelita: papel social e modelo literário na narrativa bíblica. São Paulo: Paulinas, 2001, p. 48.
2. http://franciscolibanio.blogspot.com/2009/12/das-carpideiras.html

6 comentário
Facebook Compartilhe

COMENTÁRIOS

  • De: Adilson Gëdds

    Comentario: Diese wirklich sehr interessanter Kommentar zu dem Thema über die "Trauernden". Möge Gott segnen dich, Bruder! ME DESCULPE ESCREVI EM ALEMÃO, VOU TRADUZIR: Realmente muito interessante esse comentário sobre o assunto a respeito das "carpideiras". Que Deus o abençoe grandemente, irmão!
  • De: gildásio

    Comentario: muito bom, faltou um link: envie para um amigo
  • De: LUCIANO MILAN

    Comentario: GOSTEI MUITO, PARABENS PELA OBRA ' FAMÍLIA NO ANTIGO TESTAMENTO'. RECOMENDO A TODOS OS AMANTES DA CULTURA BIBLICA.
  • De: José Otonio

    Comentario: Não conhecia este site de notícias, mas pesquisando a respeito do irmão encontrei o cpadnews, que é uma bênção para a imprensa evangélica. Meus parabens a CPAD e a CGADB por um time de colunista tão rico.
  • De: Diogo Antunes Baptista

    Comentario: Excelente exposição! Já estive em um velório no interior de Minas Gerais e encontrei uma carpideira. Ela chorava e falava tão bem do falecido que parecia que era um parente. Você fez eu reviver aqueles momentos até certo ponto hilário.
  • De: Denilson Rogério

    Comentario: Gostei muito desse texto por ser divertido, claro e informativo. Um pouco de humor não prejudica a ninguém. Colunista Esdras, espero ler outros artigos "alegres" como esse. Fica na Paz e na Graça.

COMENTE





COLUNISTAS

Fechar RECEBA INFORMATIVO
teste