26/10/2010 12:01

Os Sofrimentos da Mulher de Jó

As diversas vicissitudes de Sitis

Mulher esquecida e incompreendida pela modernidade, assim defino inicialmente a mulher de Jó. Este patriarca sim, paladino da fé, suportou todas as vicissitudes e flagelos dócil e humildemente. Ele é símbolo de perseverança, paciência e retidão (Jó 1.1,22), mas a mulher desse sofredor...., no mínimo, ainda é chamada de louca ou néscia (Jó 2.10).

Mulher anônima, a quem a tradição posterior chamou de Sitis, aparece em Jó 2.9,10 e não é mais mencionada no livro, embora nada sugira sua morte, ou abandono do lar.

Ela era uma mulher nobre, respeitada por todos, e considerada afortunada para os mais antigos e de sorte para as donzelas da região. Seu marido era um homem sábio, fiel à sua família, riquíssimo e temente a Deus. O homem mais poderoso do Oriente. Seus filhos, saudáveis e belos. Suas filhas eram mulheres decentes, educadas e belas. Centenas de servas e servos estavam espalhados pela bela casa, fazendas, plantações (Jó 1.3).

Sitis era uma mulher riquíssima que ajudava na administração da casa, dos servos domésticos; um elo de unidade familiar (Jó 1.2). Seus sete filhos e três filhas periodicamente reuniam-se ao redor da mesa para desfrutarem de seus conselhos, sapiência e virtudes (Jó 1.2,4). No período patriarcal o número dez era símbolo de completude, de abundância e prosperidade. Era a mulher mais poderosa, afamada e respeitada de todo o Oriente (Jó 1.3). Jó amava-a muitíssimo; suas filhas provavelmente espelhavam-se no zelo, discrição, beleza e sabedoria da mãe. O lar de Sitis era um paraíso cravado no Oriente (Jó 1.10).

Essa mulher, “ossos dos ossos” e “carne da carne” de Jó, no entanto, viveu as primeiras calamidades da vida do patriarca. Próximo a Jó ouvira que seus servos foram mortos e os seus rebanhos confiscados pelos sabeus. A notícia era ruim, mas suportável. Note a descrição do versículo 13, que destaca a efusiva alegria da reunião familiar na casa de seus filhos (“comiam e bebiam vinho na casa de seu irmão primogênito”), e a calamidade súbita que toma conta do restante da narrativa. Essa narrativa que antecede e moldura as tragédias de Jó será depois desconstruída no versículo 19.

O mensageiro ainda não terminara o anúncio fúnebre quando imediatamente outro mordomo anunciou: “Fogo de Deus caiu do céu, e queimou as ovelhas e os moços, e os consumiu” (v.16). A mulher de Jó fica espantada com a sucessão de tragédias que se sucedem sucessivamente sem cessar. Perde o fôlego, aproxima-se do marido para apoiá-lo... quando então, novamente, outro desastre, dessa vez arquitetado pelos caldeus que, em três bandos, roubam os camelos e ferem os servos (v.17). Mas o pior ainda estava para acontecer. Um servo aproxima-se esbaforido, com ar de cansaço e pesar. Tem receio do que vai dizer. Durante o trajeto ensaiara diversas vezes, até soltar o verbo flamífero: “Estando teus filhos e tuas filhas comendo e bebendo, eis que um vento muito forte sobreveio dalém do deserto, e deu nos quatro cantos da casa, a qual caiu sobre os jovens, e morreram” (Jó 1.18,19). O vento da desventura e sortilégio, gélido como a morte, implacável como a desgraça. Quem é suficiente forte para resistir suas lanças inflamadas? Como reagir diante de tanta calamidade e dor?

Sitis chora amargamente a morte de seus filhos. Se isso não bastasse, vê o seu marido rasgar suas vestes, rapar sua cabeça e cumpridas barbas, símbolos de sua posição social superior, e lançar-se em terra adorando a Deus. Apesar da dor que aflige sua alma abatida olha com carinho e respeito o gesto humilde e devoto de seu marido. Somente a fé e a comunhão com Deus dão ao aflito a esperança e a força para vencer as vicissitudes. É nessas ocasiões que a comunhão do crente com Deus faz toda a diferença. A resiliência e o ânimo para continuar a lida depois de uma grande calamidade são resultados de uma vida de fé, comunhão com Deus e relacionamentos corretos. Jó, como os pequenos ribeiros orientais em período de estio, vê a sequidão tomar conta de si, no entanto, estivera durante muito tempo da vida plantado junto a ribeiros de águas; suas folhas não murchariam e os seus frutos viriam na estação própria (Sl 1). Dizia um antigo provérbio oriental que o “justo nunca será abalado” (Pv 10.30).

Os dias de luto ainda não estavam completos. Parentes distantes e amigos próximos reuniam-se na casa de Sitis para apoiá-la e ao marido, Jó. Os melhores amigos nascem nos períodos de sequidão e angústia (17.17). Autoridades do Oriente chegavam à casa do infortúnio. Ouvia-se os murmúrios das carpideiras, que se revezavam em seus turnos.  Os cancioneiros entoavam suas elegias, e os sábios do Oriente procuravam entender a tragédia humana. Sitis chorava desconsoladamente. A dor e angústia apertavam seu corpo, como se a estivessem comprimindo em um pequeno vaso de cerâmica. Olhava para Jó e se inspirava na fé, piedade e devoção de seu marido. Ele em nenhum momento blasfemou ou se queixou de sua sorte (Jó 1.22). Junto aos sábios do Oriente, ouvia-o dizer: “Nu saí do ventre de minha mãe e nu tornarei para lá; o Senhor o deu e o Senhor o tomou; bendito seja o nome do Senhor” (Jó 1.21). Todos ouviam, admirados, a fé e perseverança de Jó em Deus. Procuravam algum altar na casa, ou artefatos que materializassem o Deus de Jó, mas nada encontravam. Diferente dos tolos adoradores de ídolos do Oriente, Jó confiava no Deus Invisível, Espírito eterno e imutável em seu ser.

Passados os dias de luto, Sitis e Jó procuravam retomar as atividades diárias. Todavia, sentiam dificuldades de recomeçar. Reconstruir a casa que desabara sobre as crianças era uma dúvida latente. Aquele lugar trazia boas recordações. O lugar que as crianças cresceram e a velha árvore com as marcas de suas brincadeiras traziam lembranças tão vívidas como o vento outonal que derrubava as folhas das árvores e pintavam o chão de tons marrons e cinza. Nada diziam um ao outro, apenas apertavam firmemente as mãos. Todas as palavras foram expressas naquele aperto de mãos. Nunca saberemos exatamente o que disseram. Apesar da tristeza, estavam unidos, apoiando um ao outro.

Alhures, absorto com os últimos acontecimentos, Sitis percebe que pequenas chagas começam alastrar-se sobre o corpo de seu marido. Imediatamente, os melhores médicos são consultados, especialistas na arte da cura entram e saem da casa do patriarca. Sitis se mantém firme cuidando de Jó; tratando das feridas de seu amado; procurando suavizar a dor com as especiarias, óleos de vários gêneros, alguns importados. A chaga se espalha mais ainda, desde a planta do pé até ao alto da cabeça (Jó 2.7). Longe de Jó ela chora, sente as lágrimas quentes caminharem pelas linhas de sua pele até caírem e se desfazerem lentamente ao chão. “Senhor porque me provas?”, murmurava. “Não basta os meus filhos?” “Agora tu queres o meu marido Jó?”, balbuciava. Os médicos diagnosticaram que a doença era maligna, incurável. Erupções e prurido intenso destilavam do corpo de Jó (2.7,8). Os bichos insaciáveis se alimentavam do corpo putrefato (7.5), e os ossos daquele homem forte se desfaziam como torrão de madeira apodrecida (30.17). A pele de Jó perdera toda elasticidade, suavidade e beleza (30.30). Até no sono era atormentado por pesadelos (7.14). Sitis olhava para todo aquele sofrimento. O cheiro dos florais da primavera paulatinamente foi expulso por uma mistura de pus, sangue e carne putrefata. Nem ela mesma conseguia cuidar de seu marido. A praga alastrara por toda casa. Ela gastara as últimas reservas financeiras no tratamento do marido moribundo. Investira todos os seus recursos para curar a Jó, mas a sentença médica era apenas uma: “Nada podemos fazer, só um milagre”. Sitis sofria, inconsolável... A esperança escapava por entre os seus dedos como as águas ribeirinhas. Lembrava dos momentos em que ela era considerada uma mulher bem-aventurada, rica, com filhos e filhas para lhe consolar, um marido próspero que a amava. Mas agora, tudo lhe havia sido tirado, à uma. O que você faz quando a calamidade bate à sua porta e, sem pedir licença, carrega para sua família toda desventura conhecida? A quem você recorre?


Certo dia, Sitis vê o seu marido no meio da cinza com um pedaço de cerâmica raspando as feridas. Olha e um sentimento acre-doce lhe invade a alma aflita. O grande príncipe Jó no monturo da cidade, como um pária. Sitis perde definitivamente a esperança. Aproxima-se do moribundo, sente pena do marido, fecha os olhos, aperta-os e a seguir dispara: “Ainda reténs a tua sinceridade? Amaldiçoa a Deus e morre” (Jó 2.9). Nenhum sofrimento pode ser maior do que a confiança e fidelidade a Deus. O Senhor jamais permitirá que sejamos tentados acima de nossas forças. Sitis achava que já havia chegado ao limite.

Assim como os servos de Jó foram preservados da morte para levarem a notícia calamitosa ao patriarca, a esposa parece que fora guardada todo esse tempo para destalingar esse último chicote. Sem o saber, pensando que a morte seria a melhor solução para o marido, Sitis empresta sua boca ao Tentador incitando Jó a se rebelar e amaldiçoar a Deus. O que você faz quando toda a esperança se esgota? Sitis em vez de confiar em Deus acima de todas as coisas; em vez de amar ao Senhor pelo que Ele é, deixou-se levar pelas circunstâncias atrozes, fundamentada em um relacionamento de troca com Deus. Para muitos a morte é a solução para uma vida de infortúnios e desajustes domésticos. Contudo, sempre há uma esperança para aqueles que confiam em Deus.

Jó olha para sua esposa, e a fita com ternura e carinho. Sitis sente o tempo congelar por alguns instantes. Embora o tabernáculo terrestre de Jó estivesse se desfazendo, seu edifício eterno estava preparado por Deus (2 Co 5.1). Os olhos de Jó traziam um brilho vivaz, contagiante, embora todo o restante dissesse o contrário. Lembrava muito o olhar de Jesus quando Pedro o negou. Carinhosamente afirma: “Como fala qualquer doida, assim falas tu; receberemos o bem de Deus e não receberíamos o mal?” (Jó 2.10). O sábio Jó afirmara que sua esposa, em seu desespero e dor, falava como uma pessoa sem entendimento; como alguém que ele não conhecia. Sitis fica desconcertada diante da afirmação do marido. Reflete a respeito do assunto. Lembra das muitas orações de Jó feitas em gratidão ao Senhor. E ali mesmo reconsidera... Cala-se e desaparece do cenário até o final do livro de Jó quando Deus restitui-lhe todas as coisas. Embora não seja mencionada no final do livro, não há razões para se duvidar de sua presença. Ela é a esposa incansável que esteve com o marido nos piores momentos e circunstâncias, mas que, em certo momento, perdeu as esperanças, mas a recobrou através da piedade e devoção de seu marido.

72 comentário
Facebook Compartilhe

COMENTÁRIOS

  • De: roselaine

    Comentario: jo acobou com sua mulher no final
  • De: roselaine

    Comentario: jo acobou com sua mulher no final
  • De: Sérgio

    Comentario: Alguém conhece um cursinho básico de língua portuguesa para esse MIGUEL NÃO SEI DAS QUANTAS? Nem a própria língua conhece, como quer argumentar o que sofreu a mulher de Jó, e isso dentro do contexto social da época... É muita ignorância num lugar só (ou seria numa pessoa só)!
  • De: Gilberto

    Comentario: Amados irmãos, (as), graça e paz da parte de nosso Senhor Jesus Cristo. Gostei muito do texto do irmão, mas gostaria de fazer uma breve meditação acerca do posicionamento da mulher de Jó no momento em que ela se desespera. Lembrando aos senhores que a provação se deu devido as virtudes encontradas na pessoa de Jó e não nas virtudes de sua esposa, como o próprio texto diz: "observasse a meu servo Jó, homem íntegro e fiel". Agora quero vos lembrar de uma palavra que Jesus disse acerca
  • De: lilia

    Comentario: Outro fato muito me chamou a atenção na história de jó: Deus permitiu satanás tocar em tudo que Jó possuía..Jó perdeu seus bens materiais,perdeu seus filhos,até seus amigos o abandonou..mas não perdeu sua mulher porque ela era carne de sua carne e osso de seus ossos..uma só pessoa no Senhor,e acredito que por ela mesmo Deus o deu em dobro uma linda família..Deus é Deus que ama o casamento..
  • De: Marcelo Gás

    Comentario: Fico feliz por saber que tem muitos pastor como o senhor com Uma mente brilhante, que só o ESPIRITO SANTO pode dar Tanta sabedoria parabéns gostei muito.
  • De: RODRIGO OLIVEIRA

    Comentario: se olhar-mos para esta mulher simplismente como a mulher de jó teremos uma visão . mas se olhar-mos como: a mãe que perdeu dez(10) filhos ,perdeu perdeu todos os seus bens ,perdeu varios amigos que estavam á seu serviço, e já estava (aos seus olhos ) quase perdendo o marido, fala sério , o que você faria???. Elias um homem de intíma amizade com Deus em um momento da sua vida pediu a morte como solução para o seu sofrimento.
  • De: Oliveira

    Comentario: Comentário todo comentário tem o trabalha de Deus espiram na graça dele para o entendimento da quele que lê
  • De: Joanilson Rodrigues

    Comentario: Perfeitamente plausível. Somente a questão da fonte sobre o nome da mulher é duvidosa. Quanto a ser "boca de Satanás", Pedro também foi e nem por isso o mestre o rejeitou eternamente, ao contrário, lhe confiou a missão " apascenta as minha ovelhas". Na verdade são mais inferências do que evidências, mas como disse, perfeitamente plausível.
  • De: beto santana

    Comentario: será que nos dias de hj não murmurávamos? essa mulher foi forte..ainda sabendo que Deus a provava..as vezes vacilamos....mas nos arrependemos!!! quando as tempestades sobrevêm sobre nossas vidas, ficamos meio que "perdendo as estribeiras" e acabamos falando o q não convém e agindo de forma errada..mas Deus está no controle de tudo!!Jesus abençoe!!!
  • De: Edvan Matos

    Comentario: Muitos condenam essa mulher e esquecem os sofrimentos que ela teve e o principal, porque ela emprestou a sua boca ao inimigo para amaldiçoar a Deus, mas foi com permissão de Deus, porque no diálogo entre Jesus e Satanás, Jesus autoriza Satanás a fazer tudo com Jó menos tirar a sua vida. Logo então o Diabo tirou as riquezas de Jó, tirou os filhos de Jó, colocou uma enfermidade em Jó e não estava tendo exido no seu proposito, então o Diabo partiu para cima da esposa de Jó, que mesmo
  • De: Dira de caraibeiras- Tac

    Comentario: eu achava que sabia toda a historia de Jó, mas o Senhor me despertou uma interrogação, se a mulher era uma louca porque ficou para desfrutar as bençãos? agora entende ela pagou o preço junto com ele, nada mas justo; e fácil julgar hoje vejo pessoas reclamarem por menos que isso. Mauro Sergio essa vai para vc, não importa o nome dela, o importante e que aconteceu e o nome do Senhor foi, e, e sempre será glorificado. GLÓRIA A DEUS,AMO AO SENHOR
  • De: francisco werton rodrigue

    Comentario: segundo OS SABIOS JUDEUS esta mulher se chamava DINA a filha de JACO
  • De: De: Edilon

    Comentario: Parabéns pelo o comentário sobre o livro de jó, eu já li o livro tantas vezes e nunca tive esse entendimento a respeito da mulher de Jó. Agora posso compreender que essa mulher guerreira pode passar durante a provação de Jó diante de Deus e ela teve que suportar junto com ele todo o sofrimento do marido. Por isso que a bíblia relata que nos quando unimos em matrimonio se tornamos em uma só carne. Se uma carne perece a outra perecerá também. Eu tinha muita dúvidas a respeito da mulhe
  • De: MIGUEL ANGELO GUIMARAES

    Comentario: ESTER ESCRITOR VIAJA NA MIONESE, DEVERIA SER ADVOGADO DE JUDAS. PENSE. UMA MULHER QUE NEM O SEU NOME É DÍGNO DE SER RELATADO, QUE SÓ APARECE UMA VEZ EM UM ÚNICO VERSÍCULO E SÓ PARA FALAR OQUE NÃO DEVE. TEM GENTE FALANDO QUE ELA FALOU ABEÇÓE TEU DEUS. SERÁ??? SERÁ QUE COMETERIAM ESSE ERRO GROTESCO??? NÃO ACREDITO. MESMO ASSIM QUEM SOMOS NÓS PARA ABENÇOAR-MOS A DEUS? NÃO FALEM OQUE NÃO SABEM. O FATO É QUE ESSA MULHER FOI UMA MENSAGEIRA DE SATANÁS COMO TODOS OS OUTROS QUE NÃO
  • De: MIGUEL ANGELO GUIMARAES

    Comentario: ESTE ESCRITOR TEM UMA IMAGINAÇÃO MUIIITO FÉRTIL. DE ONDE SERÁ QUE TIROU TUDO ISTO SEM UM ÚNICO VERSÍCULO QUE O APOIE? DEVERIA SER ADVOGADO DE JUDAS,
  • De: MIGUEL ANGELO GUIMARÃES

    Comentario: NUNCA LI TANTA ABÓBRINHA, DAQUI A POUCO VC VAI FALAR QUE JUDAS FOI UM HERÓI. NÃO EXISTE UMA SÓ REFERÊNCI BÍBLICA QUE COMPROVE ISTO AQUI.
  • De: Pr. Wellington da Cunha W

    Comentario: A Paz do Senhor! Gostaria de obter suas referencias bibliográficas sobre essa pesquisa de Sitis. Estou no mestrado e meu tema é a Mulher de Jó. Me ajudaria muito essas informações.] Em Cristo, e pela igreja!
  • De: Ricardo dos reis lima

    Comentario: Que pena nao termos relato do que aconteceu com a mulher de jo se reataram ou nao seu matrimonio
  • De: VALTER

    Comentario: PARA O AMADO PASTOR
  • De: MAGALI C.BALHEGO

    Comentario: achei,muito interessante,porque nunca vi comentário ou pastor pregando,olhando por outro anglo da história de jó.gostaria de comprar o livro,como faço?se puder mandar resposta pelo emal; como comprar o livro,muito obrigado.que o senhor lhe abençõe.magali
  • De: gilson goncalves da anunc

    Comentario: a mulher de jo moreu jo teve outra mulher teve outros filhos
  • De: Marcia gomes

    Comentario: Pastor eu estava passando por uma situação dificil e chorando sozinha na madrugada e o senhor me fez lembrar da mulher de jó quantas noites ela chorou só para que o seu esposo não visse e procurando algo que fale sobre ela encontrei o seu artigo e eu gostei muito pois estou com essa mensagem no meu coração para pregar estamos na ultima hora e a familia clama por socorro então lembrei dessa mulher que tem muito o que nos ensinar. obrigada pelo artigo tá lindo.
  • De: Ev. Amadeu silva

    Comentario: Pastor Esdras ,eu sempre tive também essa mesma visão nos estudos que fiz ,que tudo que Jó veio a perder era de sua esposa também os "bens materiais ,os filhos a doença" ,e isso mesmo a doença também era dela só quem já teve que cuidar 24 horas de uma pessoa enferma sabe disso ,porque ela cuidava de Jó ,quando ela vê o seu marido no meio da cinza com um pedaço de cerâmica raspando as feridas,ela perde definitivamente a esperança:E em momentos algum vimos falar que ela tinha abandon
  • De: Ev. Amadeu silva

    Comentario: Pastor Esdras ,eu sempre tive também essa mesma visão nos estudos que fiz ,que tudo que Jó veio a perder era de sua esposa também os "bens materiais ,os filhos a doença" ,e isso mesmo a doença também era dela só quem já teve que cuidar 24 horas de uma pessoa enferma sabe disso ,porque ela cuidava de Jó ,quando ela vê o seu marido no meio da cinza com um pedaço de cerâmica raspando as feridas,ela perde definitivamente a esperança:E em momentos algum vimos falar que ela tinha abandon
  • De: Paulo Jose

    Comentario: ótimo texto. Além da doença do marido, temos que levar em conta o sofrimento de mãe ao perder de uma vez seus dez filhos. naquele momento, ela não aguentando o sofrimento do marido que está em estado final, pede para render graças a Deus e morrer. Qual mãe não sofre? apesar de adorar e temer a Deus, ela é humana. o sofrimento dela não tinha a ver com riqueza e sim a perda dos entes queridos e o sofrimento do esposo amado.
  • De: pr valmir santos

    Comentario: parabens que deus t ilumine cada vez mais porque realmente opovo precisa de alguem que ensine no espirito
  • De: carlos alexandre meira

    Comentario: Paz do senhor ,Queria saber da onde o querido Pastor encontrou esse nome da mulher de JÓ? Se possível analisar esse outro texto também Em Jó 2:9 está escrito: ?E a mulher dele disse: Então sua mulher lhe disse: Ainda reténs a tua integridade? Blasfema de Deus, e morre.?. Neste versículo, a mulher de Jó estava incentivando Jó a amaldiçoar a Deus; pelo menos, é o que dá para concluir num primeiro momento. No entanto, algo que sempre me intrigou, foi o fato dela (a mulher de Jó
  • De: Benezoete Alves Da costa

    Comentario: parabens ao comentarista escritor do livro (os sofrimentos da mulher de ló)-tocou forte ao meu coraçao,eu espero que este livro seja um destaque ,primeiro em voltar as vidas que ja estão cançadas quase desistindo quando as Bençons de Deus sao prometidas,-segunde,Deus reconpense a este amado escritor.Da minha parte so posso pedir que Deus te encha de felicidade e que nunca permita que Deus aceite Satanás se envolver em tua Vida.
  • De: Leonardo Calmon

    Comentario: Quero Parabenisar o Pastor Esdras! A questão é que muitas pessoas nos dias atuais só sabem critica e apontar o erro dos outros, quando que na verdade deveriamos ajudar, Amar e não apredejar como fizeram os farizeus com a Mulher adúltera. Entenda Irmãos não estou passando a mão por cima do erro da mulher de Jó, mas se coloque na situação dessa mulher, as vezes nós passamos por provas que nem se comparam com as da esposa de Jó e nós pensamos em desistir da jornada as vezes até bla

COMENTE





COLUNISTAS

Fechar RECEBA INFORMATIVO
teste