Home

>>

Até quando?

Tamanho do texto
07/10/2011 13:12

Até quando?

Diz Davi: “A minha alma está perturbada; mas tu, Senhor, até quando?”, Sl 6.3. Todo o Salmo 6 retrata uma angustiante oração do rei Davi, quando sentia em seu próprio corpo dores provocadas por um sufocante sentimento de caos. A interrogação do salmista “Até quando?” é típica e ressoa em todas as gerações na história da humanidade.

Vivemos tempos difíceis, de decepções e sofrimentos, de pecados e corrupções, e a perplexidade é evidente nas faces estupefatas pelas coisas que sucedem no mundo. “Até quando?” é uma interrogação constante, permanente e sem resposta aparente. A primeira vez que esta interrogação foi emitida aconteceu no Jardim do Éden e, de lá para cá, a preocupação quanto ao porquê de todos os problemas é uma realidade. O mal surge na vida do homem, não como um mero conceito moralista ou filosófico, ou mesmo religioso. O mal, ainda que impessoal, é o resultado da ação pessoal do maior inimigo de Deus e do homem: o Diabo.

Em cada esquina de rua, nos bares, nas casas de comércio, nos escritórios advocatícios, nas grandes empresas, na boca dos velhos, dos jovens e das crianças, encontra-se esta interrogação. Até quando continuarão os conflitos sociais e bélicos, e a matança indiscriminada de mulheres e crianças? Até quando a violência fará seu caminho de morte e destruição nas grandes cidades? Até quando inocentes pagarão pelos culpados? Até quando as diferenças ideológicas e políticas separarão as nações e os povos? Até quando os governantes da Terra estarão subestimando a vida humana?

O salmista Davi confessa: “Também a minha alma está perturbada, mas tu, Senhor, até quando?” A alma humana é aquele princípio inteligente e vivo que Deus criou, e é dotada não apenas de existência física, mas também de vida moral e espiritual. A alma humana difere da alma irracional, pois ela representa a vida pessoal do ser humano através da mente, da vontade e dos sentimentos. Porém, um dos atributos humanos é a livre vontade, conhecida como livre arbítrio, e por esse atributo o homem deixou-se corromper pelo pecado.

O pecado enfraqueceu e tornou limitada a alma humana, porque ficou marcada pela derrota e despida de sua glória original. As potencialidades pessoais do homem foram corrompidas e pervertidas. O resultado negativo produziu separação de Deus. A alma humana tornou-se escrava de um sistema espiritual antagônico a Deus sob o comando de Satanás. Todas as prerrogativas humanas foram controladas por esse inimigo. Sua liberdade foi perdida; seu poder de decisão foi sufocado e seu grito sufocado, mas a Bíblia revela que Deus resolveu restaurar o homem através de alguém que seria capaz de libertá-lo dos seus pecados. Esse alguém é o Senhor Jesus Cristo.

Jesus “tomou sobre si as nossas dores e enfermidades, e levou sobre si as nossas iniqüidades”. Isso significa que Ele tomou o peso da condenação que tínhamos sobre nós. Pela obra expiatória no Calvário, Ele faz calar o gemido daqueles que o aceitam como Salvador e Senhor. As angústias que roubam a paz das pessoas são aliviadas por Jesus, o único capaz de resolver esse problema.

0 comentário
Facebook Compartilhe

COMENTÁRIOS

  • Nenhum comentário para esse post.

COMENTE





COLUNISTAS

Fechar RECEBA INFORMATIVO
teste