Colunistas

Elaine Cruz

Elaine Cruz

Depressão: quando a alma adoece (Parte 2)

Qui, 03/01/2013 por

 

Continuando nossa abordagem sobre o tema depressão, seguem o segundo e terceiro conselhos básicos sobre como tratar esse problema.
 
Em segundo lugar, portanto, entenda que há momentos em que todos nós, por situações várias, nos sentimos deprimidos. Quem já não ouviu sobre a depressão pós-parto, quando a mãe se sente vazia, sozinha e assustada? Quem pode estar alegre com a morte de um filho ou de um pai? Entretanto, não deixe que estes estados se delonguem, que se transformem em algo duradouro, em um quadro depressivo.

Lembre-se que, na Bíblia, sempre encontramos palavras de ânimo. As palavras de Jesus e dos salmistas e apóstolos foram sempre Tende bom ânimo (João 16.33);  Alegrai-vos (Salmo 32.11; Romanos 14.17);  Fortalecei-vos (Efésios 3.10; Tiago 5.8). Jesus é o que dá força ao cansado e multiplica e o poder aos que não têm vigor (Isaías 40.29). Portanto, tal qual Davi: “Espera no Senhor; sê forte, e anima-te...” (Sl 27.14).

Em terceiro lugar, cuide-se. Na ausência de tratamento, os episódios de depressão duram em média oito meses, e saiba que a doença é recorrente: para quem já apresentou um episódio de depressão a probabilidade de ter o segundo em dois anos é de 40%, e de 72% em cinco anos. Portanto, se profissionais atestarem o fato de que você está depressivo, tome os remédios, não esquecendo de orar todas as vezes que usá-los para que somente façam o efeito desejado, e não provoquem distúrbios futuros ou efeitos colaterais. E, mesmo assim, não desista: Jesus levou na cruz todas as nossas enfermidades e Ele pode ajudar você em seu processo de cura, mesmo que seja por meio de remédios!

O que você não pode fazer é fechar os olhos e se sentir culpado por estar enfermo ou deprimido, como se estivesse em pecado e Deus se afastasse de você, levando com ele sua alegria da salvação. Lembre-se que a salvação não pode ser um simples sentimento ou sensação. Ela tem que ser racional, ela tem que ser real. Você precisa se saber salvo(a), e não apenas se sentir salvo(a). Assim como também não pode negligenciar o que você precisa fazer, como descansar, organizar melhor sua agenda e reordenar suas prioridades.

Portanto, por mais dolorosos que sejam alguns momentos da vida, levando você até mesmo à depressão, saiba que, em Deus, há sempre uma esperança. A dor vai passar, a melancolia vai ceder, o sono irá voltar, o prazer e o ânimo serão renovados, e a vida – não a morte – será o motivo da sua canção.

Espere pela luz, espere no sol da justiça que é Jesus. Afinal, o choro pode durar uma noite, e há noites que parecem muito longas, mas a alegria vem pela manhã.

8 comentários

GUILHERME MARTINS GOMES DE SOUZA

Paz do Senhor Não é fácil conciliar a vida espiritual com a emocional. Sou um jovem Cristão, e ao ler esse estudo(Parte 1 e 2) vejo como existe muitas pessoas que descriminam o fato de um evangélico ter depressão, e conciliar a doença com a “falta de fé” “está em pecado”. Na verdade as vezes pode ocorrer por esses motivos, como já frisado no artigo. Porém existe homens e mulheres, que buscam a Deus, oram, porém caiem nessas situações, e na maioria das vezes são severamente julgados na Igreja, e escutam opiniões que só fazem piorar a situação. Eu tenho depressão praticamente desde meus 11 anos, aos 15 me converti, na casa do Senhor eu encontrei a minha principal ajuda Cristo. Hoje ainda tenho, poderia bem me perguntar por que não sou curado, mas ao ler na Bíblia, um grande homem orar: II CORÍNTIOS 12.8-9 “Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim. E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo. “ Vejo que tudo é no tempo dEle, que Deus te abençoe irmã Elaine Cruz, e um dia vou contar meu testemunho, e com a misericórdia do Senhor ajuda irmãos e pessoas, dizer que existe um Deus que como ajudou a Elias e Moisés pode-nos ajudar. NEEMIAS 8.10“...porque a alegria do SENHOR é a vossa força.”

GUILHERME MARTINS GOMES D

Paz do Senhor Não é fácil conciliar a vida espiritual com a emocional. Sou um jovem Cristão, e ao ler esse estudo(Parte 1 e 2) vejo como existe muitas pessoas que descriminam o fato de um evangélico ter depressão, e conciliar a doença com a “falta de fé” “está em pecado”. Na verdade as vezes pode ocorrer por esses motivos, como já frisado no artigo. Porém existe homens e mulheres, que buscam a Deus, oram, porém caiem nessas situações, e na maioria das vezes são severamen

Jaqueline Silva de Olivei

Excelente estudo! abrindo os olhos de muitos que têm uma mente fechada sobre a depressão, alegando que tal doença seja apenas de cunho espiritual, quando na verdade como a Dr. disse somos seres humanos imperfeitos e até os grandes homens da Bíblia passaram por momentos depressivos.. Deus a abençoe mais e mais :)

Ana Lúcia da Matta Louba

Prezada Dra. Eliana Cruz. Essa segunda parte, do principio ao fim, recorre às Escrituras, porque não existe outro caminho para o ser humano, senão os conselhos e promessas de Deus. Ele conhece sua criatura e sua natureza, portanto, somente Ele tem o poder de tratá-lo corretamente. Embora possamos nos desesperar e perder o controle, nosso Senhor e Salvador jamais perde o controle. E Ele é o Deus de toda graça e o Deus da Esperança. Por esse motivo, procure rever seus conceitos quanto

Jose rodrigues de souza

DEUS abençoe irmã muito boa esta palavra sobre depreção

Davi Lopes

Prezada Irmã Dra. Elaine Cruz! Gostei muito do seu artigo; o mesmo veio numa hora perfeita, ajudou-me muito.

Walter Bernardino Lemos

Parabenizo a dra. Elaine Cruz pelo excelente artigo supra. Ela soube dosar com maestria o conhecimento técnico e os sábios conselhos de natureza espiritual. Estou certo que esta é uma obra de grande valor que agrada ao Senhor.

Ronaldo Pereira Pimentel

Muito bom a gente precisa estar informado , com este texto temos uma ótima noção sobre as causas e como viver e se cuidar quandoem crise de depressões . Deus abençoe !

Deixe seu comentário







Perfil

Elaine Cruz Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especiallização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de vinte e cinco anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados” e “Amor e Disciplina para criar filhos felizes”, todos títulos da CPAD.

COLUNISTAS