Colunistas

Elaine Cruz

Elaine Cruz

Sobre vida adulta e Terceira Idade

Seg, 01/09/2014 por

Há muitas controvérsias com respeito ao início do que chamamos de vida adulta. Alguns defendem que se inicia por volta dos 21 anos, quando, na maioria dos países, o indivíduo já é amplamente responsável por seus atos. Outros definem a idade de 25 anos, pois em geral a pessoa já é responsável, inclusive, por seu sustento, e já fechou o processo de individuação.

O adulto tem um organismo próprio e, quando é fisicamente saudável, não depende de outros para se locomover. Mesmo os que apresentam alguma deficiência, como é o caso dos surdos-mudos ou dos paraplégicos, também devem ser estimulados a estudar e a se locomoverem sem necessidade de ajuda permanente. É por esta razão que uma deficiência é entendida como mais séria, seja ela cognitiva ou física, quando a pessoa precisa de cuidados e atenção constantes por parte de outros.

a) Independência financeira – Muitos filhos adultos se acomodam à boa vida da casa, com os pais suprindo as suas necessidades e pagando as suas contas, e se esquecem de crescer, assumindo responsabilidades e ajudando no lar. Muitos pais também infantilizam seus filhos, quando não cobram deles aplicação nos estudos ou facilitam distribuindo dinheiro facilmente a filhos irresponsáveis.

Se você é pai ou mãe, apóie seus filhos e facilite os estudos deles, inclusive com suporte financeiro. Mantenha a casa gostosa para eles, mas não deixe de cobrar-lhes responsabilidades, direcionamento para o mercado de trabalho, e de conversar sobre a importância de terem seu próprio dinheiro e construírem sua família. Pais impedem os filhos de crescer quando não incentivam sua independência. Mais tarde, cercam-se de preocupações e de vergonha por tê-los, já com 40 ou 50 anos, agarrados à barra de suas saias ou calças.

A Bíblia, em Gênesis 2.24, fala aos casais sobre deixar pai e mãe. Isso não significa dizer que os pais devam ser esquecidos, mas que quando um casal se une é fundamental que já possa ter uma vida independente de seus pais.

Filhos adultos e casados que precisam dos pais para pagar suas contas se tornam dependentes por terem que se submeter às regras dos genitores, acabando por destruir a admiração mútua. Por mais que os filhos adultos possam precisar de seus pais em períodos de dificuldade, e os pais possam ajudá-los ocasionalmente, a independência financeira auxilia na maturidade.

b) Independência psíquica e cognitiva – São imaturas as atitudes de adultos que falam sem pensar que magoam, que gastam seu dinheiro com besteira sem levar em conta as contas a pagar, que traem seus cônjuges sem analisar as conseqüências, que abandonam um bom trabalho secular sem analisar as possibilidades do mercado de trabalho, que se magoam por tudo, que se irritam por nada e que esperam que “caia do céu” benfeitorias pelas quais não querem se esforçar para obter.

Uma pessoa adulta, por mais que receba conselhos de pais, amigos e líderes, já deve ser capaz de poder decidir o que fazer a cada situação do cotidiano. Precisa aprender a conviver em sociedade. Se for casada, deve tomar todas as decisões em conjunto com seu cônjuge, aprendendo a negociar e a ceder, sem que haja interferência ou imposição dos sogros. E mesmo nos casos em que o casal more na mesma casa ou no quintal de parentes, o casal deve ter a sua independência e privacidade.

Uma pessoa casada não pode passar os dias na casa dos pais e precisa saber que há coisas íntimas do seu casamento que devem ser preservadas, a não ser em casos de agressões e desrespeito de um dos cônjuges. Os sogros não têm o direito de pedir aos filhos segredos para com o cônjuge. Também não devem exigir que o filho(a) sempre venha visitá-los sem seu esposo(a), a não ser que os genros e as noras estejam impossibilitados de vir temporariamente; e muito menos destratar suas noras ou genros, desonrando-os perante seus filhos. Deve sempre partir dos pais o incentivo para que sejam emocionalmente maduros e independentes, por mais que isto signifique perder o domínio sobre eles.

c) Independência espiritual – Efésios 4.13-15 fala sobre amadurecimento espiritual. Todo adulto precisa estar submetido à autoridade espiritual do seu pastor. Contudo, deve buscar a “independência espiritual”, que se caracteriza por aprender a orar sozinho para ter uma legítima intimidade com Deus, ler e estudar a Bíblia, tomar decisões sem ter necessidade de buscar profecias de pessoas específicas, e exercer um ministério por vocação e não por vanglória.

Adultos casados precisam assumir o sacerdócio do lar, realizar cultos domésticos, motivarem-se mutuamente a ir à igreja e congregarem juntos em um mesmo espaço. Por mais que os pais continuem orando pelos seus filhos e seus respectivos cônjuges depois que estes se casam, muitos há que dependem da oração dos pais, pois não sabem orar e cultuar a dois, cientes de que Deus os ouve e os abençoa enquanto casal. Casal que ora unido, que assume seu compromisso com Deus e abraça com alegria a responsabilidade de apoiar um ao outro, aprende que a independência espiritual gera crescimento em Deus e maturidade espiritual.

d) Velhice – A terceira idade, ou Melhor Idade, começa a partir dos 65 anos. É verdade que algumas pessoas de 30 e 40 anos já têm uma “postura de velho”, enquanto há indivíduos de 60 e 80 anos que ainda alimentam um espírito jovem – são mais criativos, empreendedores, entusiastas e producentes do que muitos trintões. Isso significa dizer que, embora a velhice tenha uma data para iniciar, esta é só um indício de um desgaste físico natural do corpo. Porém, no que tange à cognição e aos sentimentos, o idoso pode ser um adulto melhorado, que se permitiu aprender com a vida, chegando à fase áurea da maturidade.

A vida ensina, mas há muitos que passam por ela sem aprender a se tornarem pessoas melhores. Há velhos de ambos os sexos que são fofoqueiros, fazem intriga na família, são impacientes e agressivos, ainda batem em suas esposas e filhos com ódio, e são irresponsáveis em seus atos mesmo com a mente saudável. Mantêm os mesmos erros da juventude e se aperfeiçoaram na maldade ao longo dos anos, mas ainda têm tempo para alcançar a salvação e uma vida mais producente e feliz. O ensino bíblico é taxativo (Tt 2.2-5).

A população mundial está envelhecendo, por isso áreas de conhecimento, como a medicina e a psicologia, se voltam para estudar e acompanhar esta fase da vida, criando alternativas para uma velhice saudável e frutífera. Hoje há residências voltadas às necessidades dos idosos, exercícios físicos para fortalecer a musculatura e ampliar a capacidade cardiorespiratória, remédios para combater a esclerose e fortificar os ossos, terapias e atividades para aumentar a socialização, e até classes de Escola Dominical e eventos para eles. Precisamos abandonar o preconceito de que o que é velho é ruim, de que a velhice é chata e pacata, e de que quando chegarmos lá a vida acabou.

Se você ainda não é idoso, aprenda a respeitar e a admirar os mais velhos. Converse mais com eles, dê afeto, aprenda com as experiências de vida para ser mais sábio. Ouça seus conselhos, considere suas ordens e trate-os como gostaria de ser tratado daqui a alguns anos. Cuide dos seus pais com gratidão pelo que fizeram por você, com o perdão para apagar seus erros e com o amor que supera as barreiras das diferenças de faixa etária e de visões de mundo.

Quem adquire maturidade na vida adulta, e se permite aprender com as vivências pessoais e dos outros, vai aos poucos construindo uma postura de vida que tornará a velhice um período de colheita de afetos plantados, de amores construídos e de atitudes cultivadas com sabedoria e responsabilidade.

Se você é idoso, cuide-se para ser fisicamente saudável, trate-se para estar com a mente e as emoções em ordem, controle-se para manter seus sentimentos e suas lembranças sob o seu domínio, e se esforce para continuar aprendendo e construindo projetos para o seu futuro (Sl 92.13-15).

Você está em sua melhor idade, não pode mudar seu passado, mas ainda tem um futuro. Portanto, amplie a sua auto-estima, dê afeto aos que partilharam a vida com você, ame e preserve a sua família, renove a guarde a sua fé em Deus, e por mais que a vida lhe tenha sido difícil, abandone as dores e ressentimentos, ciente de que Deus é a sua rocha e escudo. Traga à sua memória o que lhe dá esperança e espere na sua justiça, que não falha nesta Terra e em toda a eternidade (Ef 4.10,13).

0 comentários

Nenhum comentário para esse post.

Deixe seu comentário







Perfil

Elaine Cruz Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especiallização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de vinte e cinco anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados” e “Amor e Disciplina para criar filhos felizes”, todos títulos da CPAD.

COLUNISTAS