Colunistas

Pr. Douglas Baptista

Pr. Douglas Baptista

O professor e a exigência da dedicação ao ensinar

Sex, 15/10/2021 por

 

Nas Escrituras Sagradas a tarefa de “ensinar” é classificada como um dom divinamente concedido aos crentes. Na epístola aos Romanos, Paulo enfatiza que segundo a graça que nos é dada recebemos do Senhor “diferentes dons” (Rm 12.6a).

Na sequência dessa elucidação, o apóstolo enumera alguns desses diferentes dons, a saber: o de profetizar, o de servir, o de ensinar, o de exortar, o de contribuir, o de presidir, e o de exercer misericórdia (Rm 12.6-8).

Para cada um dos dons dessa lista, Paulo explica em uma única frase, sobre como eles devem ser usados por aqueles que o receberam. Nesse ponto, convém destacar que essa lista não contém todos os dons (ver 1Co 12.8-10, 29; Ef 4.11).

Não obstante, quando o apóstolo se refere ao dom de ensinar a versão da Bíblia Almeida Revista e Corrigida (ARC) é enfática em traduzir como: “se é ensinar; haja dedicação ao ensino” (Rm 12.7b).

A Nova Versão Internacional (NVI) exprime literalmente “se é ensinar, ensine”; a Nova Tradução na Linguagem de hoje (NTLH) afirma “se é o de ensinar, então ensinemos”; a Nova Versão Transformadora (NVT) diz “se for mestre, ensine bem”.

A versão Almeida Revista e Atualizada (ARA) expressa “o que ensina esmere-se no fazê-lo”; e, a Nova Almeida Atualizada (NAA) traduz como “o que ensina dedique-se ao ensino.

Diante dessas e outras versões, é consenso entre os biblistas que a expressão “dedicação” está subentendida no texto original grego com o sentido de “esmero” e “diligência” no exercício do dom de ensinar.

Nessa perspectiva, compreende-se que o ofício de ensinar requer do vocacionado esforço e aprimoramento na aplicação de sua chamada.

Significa que os vocacionados para essa atividade precisam apegar-se ao ensino, isto é, manter o foco e aperfeiçoar a capacitação recebida a fim de oferecer o melhor ao Corpo de Cristo.

Desse modo, dentre outras obrigações, os ensinadores necessitam buscar e evidenciar profundo conhecimento bíblico, esmerar-se na correta aplicação das regras da hermenêutica e da exegese, e, desenvolver acentuada habilidade no emprego dos métodos do ensino-aprendizagem.

Para alcançar esse ideal do talento recebido do Senhor, aquele que ensina tem o dever de estudar e instruir-se constantemente.

Feliz dia dos Professores!

Pense Nisso!

Douglas Roberto de Almeida Baptista

4 comentários

Sérgio Luís

Excelente texto. Deus nos ensine à ensinar.

ANTONIO JOSE DE SOUSA DIA

Excelente reflexão pastor Douglas, o professor em muitos casos são desrespeitos, ignorados e desvalorizados, mas o Senhor Jesus e a igreja primitiva sempre valorizaram o ensino e àqueles que ensina, no caso o professor. O mestre disse: Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.

ANTONIO JOSE DE SOUSA DIA

Excelente reflexão pastor Douglas, o professor em muitos casos são desrespeitos, ignorados e desvalorizados, mas o Senhor Jesus e a igreja primitiva sempre valorizaram o ensino e àqueles que ensina, no caso o professor. O mestre disse: Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.

Dionísio Vargas de Quadr

Excepcional mensagem para um dia tão especial. Bela reflexão para todos aqueles comissionados pelo Senhor para ensino das escrituras sagradas. Parabéns Pr Douglas, Deus continue inspirando o Senhor para Glória de Deus. Feliz dia do Professor.

Deixe seu comentário







Perfil

Douglas Baptista é pastor, líder da Assembleia de Deus de Missão do Distrito Federal, doutor em Teologia Sistemática, mestre em Teologia do Novo Testamento, pós-graduado em Docência do Ensino Superior e Bibliologia, e licenciado em Educação Religiosa e Filosofia; presidente da Sociedade Brasileira de Teologia Cristã Evangélica, do Conselho de Educação e Cultura da CGADB e da Ordem dos Capelães Evangélicos do Brasil; e segundo-vice-presidente da Convenção dos Ministros Evangélicos das ADs de Brasília e Goiás, além de diretor geral do Instituto Brasileiro de Teologia e Ciências Humanas.

COLUNISTAS