Colunistas

Pr. Douglas Baptista

Pr. Douglas Baptista

A necessidade de discernir as falsas profecias

Seg, 17/07/2017 por

1. Desde a antiguidade, sabe-se e é notório que o sobrenatural exerce fascínio sobre a mente e coração do homem. Nos primórdios as civilizações antigas aspiravam com fervor às orientações divinas. Isto é inerente a raça humana e foi colocado no homem pelo criador. Como disse o romancista russo Fiódor Dostoievski (1821-1881) “existe no homem um vazio do tamanho de Deus”.

 

2. Quando verdadeiramente este vazio é preenchido pelo próprio Deus, então a paz passa a reinar em nossos corações. A comunhão com Deus e a palavra de Deus são lâmpada e luz para o nosso caminho (Sl 119.105). Suas orientações divinas nos fazem andar em segurança. Mas quando nos afastamos da lâmpada somos atraídos pelo fascínio do sobrenatural, e por vezes, nos deixamos manipular e oprimir em nome da fé e passamos a trilhar o caminho que consequentemente nos levará ao abismo.

 

3. Ao longo da caminhada cristã e nos laboriosos anos pastorais tenho convivido com muitos crentes sinceros e fiéis. No entanto, alguns deles com as mentes perturbadas pelas falsas manifestações sobrenaturais. As falsas profecias, as supostas revelações e os enigmáticos sonhos e visões causaram estrago em suas vidas e se tornaram incapazes de discernir. Tornaram-se reféns dos “mistérios” que passou a ter autoridade superior ao da Bíblia Sagrada.

 

 

4. Por falta de discernimento, por desconhecer as Escrituras, por temer desagradar a Deus, por medo de ser amaldiçoado, pela preocupação de não ser considerado rebelde, estes crentes fiéis e sinceros são manipulados e oprimidos em nome da fé. A manipulação é exercida pelos seus líderes, grupos de oração, laços familiares e até por círculos de amizade.

 

 5. O objetivo dos manipuladores é exercer domínio sobre a fé e a vida destas pessoas. Conheço um casal que nada faz sem consultar uma suposta profetiza. A tal profetiza é sustentada financeiramente por este casal. Eles pagam o aluguel, o condomínio, a feira e os remédios. Em troca ela os enche de profecias e revelações. Manipulados e oprimidos eles temem abandonar tal conduta e serem amaldiçoados. 

 

6. O caso acima não é isolado, existem situações similares em todo o país e também pelo mundo. Igrejas há em que o líder é o manipulador. Profecias e revelações são frequentemente usadas para manter os crentes congregando e dar o ar de “espiritualidade” nos cultos. Quando alguém discerne que tem algo errado na igreja, surgem profecias para convencê-lo do contrário. Acuado, cheio de dúvidas e temeroso de ser rebelde permanece submisso ao sistema. O círculo vicioso perdura até que as amarras sejam soltas. Até que a palavra volte a ser a única lâmpada para o caminho que conduz a vida.

 

 

7. Para elucidar esta situação e auxiliar os que estão atemorizados e amedrontados em suas dúvidas, passaremos a análise de alguns dos tantos textos bíblicos pertinentes ao assunto:

a) O Espírito Santo não pode ser restringido, mas tudo deve ser examinado“Não extingais o Espírito. Não desprezeis as profecias. Examinai tudo. Retende o bem” (1Ts 5.19-21

b) Não se pode crer em todo o espírito, mas tudo deve ser provado: “Amados, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo” (1Jo 4.1)

c) As Profecias e seu conteúdo devem ser julgadas pela igreja: “E falem dois ou três profetas, e os outros julguem. E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas. Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos” (1Co 14.29-32,33)

d) É preciso discernir se a profecia não é resultado de suborno (ofertas, doações, vaidades e outros): “E percebi que não era Deus quem o enviara; mas esta profecia falou contra mim, porquanto Tobias e Sambalate o subornaram” (Ne 6.12)

e) É preciso discernir se o objetivo da profecia não é o de servir de cobertura a suposta autoridade espiritual de um líder (Muitos procedimentos contrários a palavra de Deus são autenticados por falsas profecias): “Os seus sacerdotes violentam a minha lei, e profanam as minhas coisas santas; não fazem diferença entre o santo e o profano, nem discernem o impuro do puro... E os seus profetas têm feito para eles cobertura com argamassa não temperada, profetizando vaidade, adivinhando-lhes mentira, dizendo: Assim diz o Senhor DEUS; sem que o SENHOR tivesse falado” (Ez 22.26,28

f) É preciso discernir se a igreja é guiada pela Palavra de Deus ou por revelações e profecias (Quando se ensina errado é possível contestar com a Palavra. E quando se diz que é profecia? Como contestar? Por isso muitos líderes preferem não ensinar a palavra e dominam o povo com supostas revelações): “Os profetas profetizam falsamente, e os sacerdotes dominam pelas mãos deles, e o meu povo assim o deseja; mas que fareis ao fim disto?” (Jr 5.31) “Porquanto fizeram loucura... e anunciaram falsamente, em meu nome uma palavra, que não lhes mandei, e eu o sei e sou testemunha disso, diz o SENHOR” (Jr 29.23)

g) É preciso perceber se a igreja ou o líder faz uso de todos os meios para angariar ofertas. Normalmente uma suposta revelação ou profecia confirma a ação. Quando a fé é usada como fonte de lucro somos orientados a nos apartar dos tais: “Contendas de homens corruptos de entendimento, e privados da verdade, cuidando que a piedade seja causa de ganho; aparta-te dos tais. Mas é grande ganho a piedade com contentamento. Porque nada trouxemos para este mundo, e manifesto é que nada podemos levar dele” (1Tm 6.5-7)

         h) É preciso discernir se o líder quer controlar a vida e as ações das pessoas para manter os fiéis sob cabresto de falsas revelações e assim garantir sua autoridade, seu prestígio, seu salário e conforto: “Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; Nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho. E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa da glória” (1Pe 5.2-4)

 

8. Amado (a) leitor (a), diante do exposto fica evidenciado que quando uma pessoa profetiza não quer dizer necessariamente que suas palavras estão aprovadas por Deus. Os dons espirituais são concedidos pelo Espírito e não são obtidos por mérito. Portanto não se impressione com os que levantam a voz falando “mistérios” e entregando revelações. Peça a Deus discernimento e não se deixe manipular ou oprimir com falsas manifestações sobrenaturais.

 

Reflita acerca disso!

 

Douglas Roberto de Almeida Baptista

 

OBS: publicado originalmente em 2012

 

http://prdrdouglasbaptista.blogspot.com.br/2012/11/cristaos-manipulados-e-oprimidos-em.html

6 comentários

David Melo

A paz amados. Tenho presenciado isso a tempos na igreja ao qual congrego. Esse artigo veio para realmente acalmar minha alma. Sempre congreguei no Belem, mas com uma mudança de Pais, hoje moro nos EUA e congrego em uma outra denominaçao. Tenho visto isso todos os dias, uma igreja que prima muito mais as revelaçoes doque a palavra. Esse tipo de situaçao (suposta revelaçao)deixa a membrasia doente, enferma e fadada ao fracasso. Colocando pastor contra obreiro, membro contra membro.

Rodolfo Céspedes

Verdade Pr Douglas, muitos "lideres" usam dessas situações que o senhor relata, e muitos fiéis estão sendo levados por esses falsos profetas. Mas graças a Deus por permitir que ainda existam pastores fiéis a Palavra e que nos trazem esclarecimentos a luz da Bíblia e assim, oferecer uma oportunidade para resgatar essas pessoas que se encontram aprisionadas por falsos lideres. Que Deus continue nos ajudando em nome de Jesus.

Antônio Barbosa Ramos

Parabéns pastor Douglas. Esse artigo é muito importante para abrir os olhos dos crentes. Infelizmente muitos dos nossos irmãos por não estudarem a bíblia cai na conversa de homens que são amante de se mesmo.por isso muitos são enganados por esses lobos devoradores, a bíblia ensina no livro de Oseias.4.6 o povo foi destruído porque lhe faltou conhecimento. Muitos não querem ler mais a biblia preferindo acreditar nessas supostas profecias, visões, revelações etc,por isso que muitos

Sérgio Luís

Pr. Douglas, a paz do Senhor. Infelizmente, é verdadeiro tudo que tem exposto em seu texto. Falsos profetas, xamãs,adivinhos, agoureiros e outras manifestações recheadas e envoltas em misticismo e ocultismo;sincretismo religioso, liberalismo,relativismo, racionalismo. Manipulação (espiritual e/ou financeira). E qualquer que,ao menos, questione essas práticas, são rotulados como rebeldes, descrentes, faltos de visão e “mentes fechadas".

Rubens

Pastor Douglas É preocupante a investida desses verdadeiros cães gulosos, que adulteram o evangelho e faz do mesmo um balcão de negócios. Como ensinamento, devemos ser criteriosos, observadores e conhecedores da palavra, para que não sejamos enganados por entretenedores de bodes disfarçados de PASTORES. PARABÉNS PASTOR DOUGLAS PELO ARTIGO.

Emanuel Oliveira

Parabéns Pr Douglas pela postagem! Verdadeiramente é um alerta para nós.Nos dias atuais podemos observar, que há um crescimento vertiginoso destas práticas que arrastam multidões sem nenhum comprometimento com a Palavra.Jeremias profetizou por 23anos(Jr25.3) e ninguém deu ouvido.Hoje muitos lideres não pregam sobre verdades bíblicas como arrependimento,santificação,pecado,caráter cristão e outros não confrontam o pecado.Em Mateus 7:15-23, Jesus já havia alertado sobre estes Falsos

Deixe seu comentário







Perfil

Douglas Baptista é pastor, líder da Assembleia de Deus de Missão do Distrito Federal, doutor em Teologia Sistemática, mestre em Teologia do Novo Testamento, pós-graduado em Docência do Ensino Superior e Bibliologia, e licenciado em Educação Religiosa e Filosofia; presidente da Sociedade Brasileira de Teologia Cristã Evangélica, do Conselho de Educação e Cultura da CGADB e da Ordem dos Capelães Evangélicos do Brasil; e segundo-vice-presidente da Convenção dos Ministros Evangélicos das ADs de Brasília e Goiás, além de diretor geral do Instituto Brasileiro de Teologia e Ciências Humanas.

COLUNISTAS