Colunistas

Pr. Douglas Baptista

Pr. Douglas Baptista

O Maravilhoso poder da pregacao: vidas sao impactadas

Seg, 24/04/2017 por

“E, quando comecei a falar, caiu sobre eles o Espírito Santo” (Atos 11.15a)

 

O versículo citado acima é parte do discurso de defesa de Pedro diante da liderança da igreja primitiva em Jerusalém. A defesa era em relação aos fatos acontecidos e narrados no capítulo de número dez do livro de Atos.

 

Neste período, o cristianismo estava dando seus primeiros passos. Os primeiros cristãos eram essencialmente judeus e a cultura judaica ainda estava fortemente arraigada nos costumes e nas ações da igreja incipiente.

 

Qualquer contato com gentios tornava o judeu cerimonialmente impuro, e, por causa desta interpretação, a igreja primitiva não se misturava com os gentios e nem tampouco lhes anunciava o evangelho.

 

Para que a igreja abandonasse estes costumes e ações judaicas, Deus vai intervir de forma sobrenatural na administração eclesiástica e no trabalho de evangelização.

 

Para esta atividade de mudança radical na visão da igreja, Deus escolhe a Pedro. E para ser a primeira família beneficiada com a boa nova ao alcance de todos, Deus escolhe um centurião da coorte italiana de nome Cornélio.

 

Tudo começou quando Cornélio teve uma visão angelical por volta das três horas da tarde (At 10.3). Nesta visão Deus lhe dá revelações claras e precisas: 1) Deus diz o nome da cidade para onde Cornélio devia enviar mensageiros; 2) Deus diz o nome da pessoa a ser procurada; 3) Deus diz o nome do dono da casa onde está a pessoa que deve ser procurada; 4) Deus diz a profissão do dono da casa; e 5) Deus diz o ponto de referência para a localização da casa. Vejamos o texto: “Envia homens a Jope e manda chamar a Simão, que tem por sobrenome Pedro; este se acha hospedado com um certo Simão, curtidor, cuja casa fica à beira-mar. Ele te dirá o que deves fazer.”(At 10.5-6).

 

Como a ação é do Espírito Santo, então não pode haver nenhum tipo de dúvida ou de confusão (1 Co 14.33). Assim, para confirmar a visão de Cornélio, Deus concede uma visão para Pedro que é concluída com a seguinte frase: “Eis que dois homens te procuram. Levanta-te, pois, desce e vai com eles, nada duvidando; porque eu tos enviei”(At 10.19-20).

 

Pedro ao obedecer à revelação divina é impactado com a universalidade do amor de Deus, a universalidade da salvação e a universalidade do batismo com Espírito Santo, como diria Paulo mais tarde: “pois para com Deus não há acepção de pessoas” (Rm 2.11).

 

No entanto, a atitude de Pedro sofreu duras críticas por parte da igreja-mãe em Jerusalém. Pedro tinha violado a lei e os costumes judaicos. Pedro visitou a casa de gentios e fez ainda pior, admitiu estes gentios como membros da igreja e isto até sem mesmo tê-los transformados em prosélitos por meio da exigência da circuncisão. Pedro simplesmente passou por cima de toda a cultura religiosa dos judeus e recebeu os gentios como irmãos pelo maravilhoso fato de que Deus os tinha batizado com o Espírito Santo. Por isso Pedro também mandou batizá-los nas águas (At 10.47.48).

 

Diante destes fatos, Pedro começa a enumerar os motivos de sua atitude para uma assembleia ansiosa por receber explicações. Estes motivos segundo Pedro enumera são respectivamente a visão celestial e as características que culminaram no derramamento do Espírito Santo em casa de Cornélio. Pedro alega que a pregação do evangelho fez cair sobre os gentios o mesmo dom que Deus havia dado aos discípulos no dia de Pentecostes.

 

Após ter contado os pormenores de sua visão celestial que vai desde o versículo 4 até o versículo 14 do capítulo onze em questão, Pedro resume o momento da descida com o Espírito Santo com uma única frase no versículo 15: “E, quando comecei a falar, caiu sobre eles o Espírito Santo”.

 

O problema deste resumo é que passa a falsa idéia de que Pedro mal teria iniciado a pregação e imediatamente o Pentecostes acontecera na vida dos ouvintes. No entanto no capítulo dez onde os fatos estão narrados detalhadamente percebemos que Pedro já tinha pregado uma boa parte de seu sermão que ficou registrado nos versículos 34 ao 43. E o sermão que Pedro utilizou é riquíssimo e cheio de mensagens evangelizadoras:

 

1) Ele afirma que Deus não faz acepção de pessoas (v. 34);

2) Ele afirma a universalização do amor de Deus e da salvação (v. 35);

3) Ele afirma que a salvação vem dos Judeus, por meio de Jesus Cristo (v. 36);

4) Ele afirma que a palavra da salvação já era de conhecimento da Judéia e da Galiléia (v. 37);

5) Ele apresenta a Jesus Cristo como o ungido de Deus (v. 38);

6) Ele afirma ser testemunha de Jesus e de sua morte no madeiro (v. 39);

7) Ele afirma que Jesus ressuscitou ao terceiro dia (v. 40);

8) Ele afirma que é testemunha dessa ressurreição juntamente com outros discípulos (v. 41);

9) Ele afirma a ordenança que Jesus deixou para a pregação do evangelho (v. 42);

10) Ele afirma que todo o que crê receberá a remissão dos pecados pelo nome de Jesus (v. 43)

 

Pode-se notar que a mensagem de Pedro é muito profunda. Esta é a mensagem principal do Evangelho. Deus quer salvar a todos, por isso enviou Jesus que ao vencer a morte ressuscitando dos mortos pode perdoar pecados a todo aquele que crê. Como resultado desta mensagem maravilhosa é que o Espírito Santo foi derramado em casa de Cornélio. Portanto a força do verbo “comecei a falar” não pode ser levada muito longe no grego hebraizado.

 

Deste modo a expressão “E, quando comecei a falar, caiu sobre eles o Espírito Santo” significa apenas que Pedro não tinha terminado tudo o que queria dizer, quando o Espírito Santo tomou conta da vida dos ouvintes e concluiu a mensagem daquele dia.

 

Assim fica a lição de que não é pelo muito falar que Deus vai agir, mas sim pela unção de quem prega e pela soberana vontade de Deus (Mt 6.7).

 

Reflita acerca disso!

Douglas Roberto de Almeida Baptista

12 comentários

Ézio dos Anjos Souza

Uma palavra define essa arte de pregar: brilhante! Quanta facilidade para elaborar um sermão. Deus vai me dar a honra de poder conhecer o senhor pessoalmente dia 05/08/2017. Eu já prego há algum tempo, e já li alguns sermões, mas nunca havia me deparado com algo tão extraordinário. Que forma linda de pregação! Provera a Deus eu ter um dom tão lindo e especial de pregação como este.

João Carlos Costa

Parabéns!!!!! muito lindo esse comentário que envolve a acão do E.P.S

RUBENS

Sem unção de Deus, nada pode ser feito. Fica a lição.

Rubilar Dias

Prezado Pr Douglas que o Senhor continue lhe dando sabedoria, para nos mostrar através da Palavra o que realmente é levar o evangelho. Que sejam sempre o senhor esse atalaia, humilde e temente a Deus. Louvado seja Deus hoje e sempre por sua via.

Everaldo sousa

Palavras do evangelho renovadoras para os dias difíceis de hoje, onde a simplicidade do evangelho é o poder de Deus, podem mudar a vida das pessoas que crerem e se voltarem para o salvador do mundo. Parabéns Pastor Douglas.

Everaldo sousa

Palavras do evangelho renovadoras para os dias difíceis de hoje, onde a simplicidade do evangelho é o poder de Deus, podem mudar a vida das pessoas que crerem e se voltarem para o salvador do mundo. Parabéns Pastor Douglas.

gilberto lara da silva

Parabéns pastor Douglas, evangelho cristocêntrico, a vivencia do evangelho genuíno do verdadeiro cristianismo, que Deus nos ajude a não deixarmos de olhar para cruz e conservemos a simplicidade do evangelho e o poder de Deus.

EMANUEL OLIVEIRA

Parabéns Pastor Douglas por esta postagem! Podemos constatar que, para um verdadeiro avivamento, não há necessidade de tantos movimentos, teologias positivistas e outros absurdos que constatamos atualmente. Mas é necessário que Cristo seja pregado através de Sua Palavra, para que aconteça o verdadeiro sobrenatural de Deus, sem muita firula e nem técnicas humanas. E sabemos que a Palavra é muita mais poderosa quando é ministrada pela vida daquele que VIVE A PALAVRA, desta forma veremos

Jonas R Santin

Prezado pastor, excelente abordagem, e como sempre, muito esclarecedora. Podemos verificar que a obra de Deus é feita de forma solidária entre o agente Divino (Espírito Santo) e o humano (neste caso Pedro). Saber ouvir a voz de Deus por intermédio do Espírito Santo faz toda diferença na vida ministerial e espiritual em particular. Pedro foi sensível à voz do Espírito Santo, por isso desempenhou grande obra ministerial. Cornélio também soube dar ouvidos ao Espírito Santo e recebeu a s

Daniele Amorim Fernandes

Mensagem que nos faz refletir sobre muitos pontos de um texto cheio de ensinamentos para nós! Deus verdadeiramente não faz acepção de pessoas, a salvação é universal, é para todo que crer! (Jo 3:16). É Deus quem age e não precisa de muito, precisa de alguém que se coloque na brecha para enviar o que ELE quer! Pedro foi escolhido para enfrentar os paradigmas da cultura judaica, Deus escolhe segundo o seu propósito e isso muitas vezes significa ir em contramão. Que Deus continue a lh

Carlos Junior

Parabéns, pastor Douglas pelo edificante artigo. De fato, é preciso compreender que a ação sobrenatural de Deus através do Espírito Santo acontece quando Sua palavra é ministrada de forma cristocêntrica. Deus é fiel ao que diz. Ele não precisa da ajuda do homem, nem de técnicas de manipulação de auditório ou de ordem motivacional para se manifestar. É anunciar toda a verdade de Deus. Só isso. A parte que cabe ao dono da Palavra, Ele a executará.

Antônio Barbosa Ramos

Parabéns pastor Douglas,por esta linda postagem. Esta mensagem é muito lmportante para a edificação do povo de Deus. Que Deus continue lhe usando poderosamente.

Deixe seu comentário







Perfil

Douglas Baptista é pastor, líder da Assembleia de Deus de Missão do Distrito Federal, doutor em Teologia Sistemática, mestre em Teologia do Novo Testamento, pós-graduado em Docência do Ensino Superior e Bibliologia, e licenciado em Educação Religiosa e Filosofia; presidente da Sociedade Brasileira de Teologia Cristã Evangélica, do Conselho de Educação e Cultura da CGADB e da Ordem dos Capelães Evangélicos do Brasil; e segundo-vice-presidente da Convenção dos Ministros Evangélicos das ADs de Brasília e Goiás, além de diretor geral do Instituto Brasileiro de Teologia e Ciências Humanas.

COLUNISTAS