Colunistas

Pr. Claudionor

Pr. Claudionor

OS FUNDAMENTOS DA CRISTOLOGIA BÍBLICA

Qui, 31/01/2019 por Claudionor de Andrade

Querido leitor,

Damos sequência ao nosso estudo introdutório à Autêntica Cristologia Bíblica.

Se você entendeu realmente a matéria, envie-me, por favor, um resumo de no máximo 300 caracteres.

Será um prazer tê-lo comigo nesta coluna. Que Deus o abençoe.

 

Ao contrário dos arrazoados cristológicos pós-modernos, a cristologia dos profetas e dos apóstolos possui fundamentos eternos e sólidos. Vejamos por que devemos confiar nas proposições e narrativas da Bíblia Sagrada quanto à pessoa e à obra do Senhor Jesus Cristo.

O principal fundamento da cristologia do Novo Testamento é o Testamento Antigo. Ambas as alianças completam-se; são indispensáveis uma à outra. Se, num primeiro momento, os profetas, inspirados pelo Espírito Santo, previram a chegada do Messias; no momento posterior, os apóstolos souberam como interpretar, canonicamente, o que os seus antecessores vaticinaram. Por esse motivo, professamos estar a nossa cristologia fundamentada nos santos profetas e nos apóstolos de Jesus Cristo.

Todas as vezes que abrimos a Bíblia Sagrada, quer no Antigo, quer em o Novo Testamento, deparamo-nos com o Filho de Deus: Jesus Cristo, Verdadeiro Deus, Verdadeiro Homem. No princípio era o Verbo e, no final de todas as coisas, continuará a ser o Verbo em Deus, porque o Verbo era e é Deus.

Além da Bíblia Sagrada, nossa cristologia tem como fundamento os escritos cristãos que, tendo início com os pais da igreja, vicejam ainda hoje através de autores piedosos e santos. Todos eles, convictamente, mostram por que devemos confiar no Cristo de Deus. É uma tradição que, submissa à Palavra de Deus escrita, busca referendá-la sistemática, hermenêutica e apologeticamente.

Finalmente, podemos expor, como fundamento da cristologia bíblica, nossa própria experiência com o Amado Redentor. O terreno experimental não é tão subjetivo como supõem os acadêmicos segundo o mundo. Ao contrário do subjetivismo filosófico, que tem no sujeito humano a sua maior referência, a cristologia apostólica mostra a transformação desse mesmo sujeito numa criatura nova e agradável a Deus. Logo, o sujeito dessa oração não é o pecador empedernido e desorientado, mas o Senhor Jesus, que, fazendo-se tão sujeito quanto os demais sujeitos, sujeitou o maligno, a fim de que não mais estivéssemos sujeitos ao pecado.

No passado, Jesus era o sujeito oculto que, pouco a pouco, foi sendo revelado pelos santos profetas, até ser plenamente manifestado em o Novo Testamento. Por esse motivo, o testemunho que damos de Cristo não pode ser visto como algo meramente subjetivo, mas como algo real, porque através de nossos frutos tornamos o Filho de Deus conhecido em todo o mundo.
 

9 comentários

Claudionor de Andrade

Irmão Rick, obrigado por sua participação. Assim entendemos João 14:6. Jesus é o único caminho, pois somente através dele obtemos a salvação eterna, completa e real (At 4.12; 16.17). Ele também é a verdade, porquanto é a Fiel Testemunha do Pai concernente à salvação de nossas almas (Ap 1.5). E, no que tange à vida, é nele e somente nele que herdamos a vida eterna (Rm 6.23). Sem Jesus, jamais chegaremos à Jerusalém Celeste.

Claudionor de Andrade

Irmão Marcos. Gostei de sua oportuna participação. Jesus é, não somente eterno, como o próprio Pai da Eternidade (Is 9.6; 2 Tm 1.9). Quando os autores sagrados chamam-no de Filho de Deus, referem-se à sua filiação eterna em relação ao Pai, porquanto Ele (Jesus Cristo) sempre existiu. Ele não teve início nem terá fim de dias (Hb 7.3). Antes de sua encarnação, Jesus encontrava-se no seio do Pai (Jo 1.18). Logo, quanto ao ser, não há diferenças entre as Pessoas da Trindade; são iguais.

Rick Reis

Nobre Pr. Claudionor, abrindo parênteses em sua exposição,com relação a João 14:6, quando JESUS CRISTO afirma ser A VERDADE, eu consigo acreditar que entendo algo e aceitar; afinal, como CRIADOR de tudo e portador dos atributos onisciência, onipotência e onipresença, sendo atemporal, é evidente que somente CRISTO, que é bom, pode ser A VERDADE. Mas, ainda não entendi o que O SALVADOR quer dizer quando afirma ser O CAMINHO e A VIDA. Por esse motivo, gostaria muito de receber sua orientação.

Claudionor de Andrade

Irmão Claudio, Jesus afirmou que bom só havia um - Deus -, porque, naquele momento, estava Ele (o Salvador) ainda cumprindo a sua missão. De fato, Ele era e é perfeito e bom. Naquele instante, todavia, a sua tarefa, aqui no mundo, estava por completar-se. Jesus ainda não havia recebido todo o poder nos Céus e na Terra. Leia Hebreus 5.7-10. Entretanto, deixamos bem claro não haver diferenças ontológicas (quanto ao ser) entre as pessoas da Santíssima Trindade. As diferenças são apenas funcionais

Marcos Roberto

A paz amado irmão Problemas Claudionor, dentro de uma visão Cristológica, existe muitos conflitos quanto ao entendimento da pré existência e coexistência de Cristo, inúmeras posições teólogicas tem colocado Jesus como aquele que se subordina a Deus, desqualificando sua eternidade, bem como colocando em descrédito a Trindade como elo fundamental do amor de Deus a nós, tenho certeza que neste tempo onde muitas posições teólogicas questionam muito, este estudo solidificara a pura verdade. Parabéns.

Claudio Sales

A Paz do Senhor Jesus irmão Claudionor Gostaria de sugerir algumas pequenas reflexões sobre o estudo " Cristologia" Por exemplo: na ocasião em que um jovem rico se apresenta pra Jesus chamando-o de bom, Jesus respondeu " porque me chamas bom, ninguém é bom senão um que é Deus " têm dado margem para algumas seitas opara duvidar ou questionar a divindade de Cristo. Claro que , para nós , que estudamos a Palavra ( Palavra de Deus escrita, busca referendá-la sistemática, hermenêutica e apologetica

Sérgio Luis

Certo que sim. Em Cristo,paz.

Claudionor de Andrade

Irmão Sérgio, concordo com o senhor. Ambas as passagens bíblicas sintetizam o perfeito cumprimento das profecias cristológicas do Antigo em o Novo Testamento. Obrigado por visitar-me nesta coluna. O irmão acha que estudos como este ajudam os estudiosos da Bíblia?

Sérgio Luis

Amado,paz.Como leigo resumiria assim sua matéria (até aqui). "HAVENDO Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho," Hebreus 1:1 "Provendo Deus alguma coisa melhor a nosso respeito, para que eles sem nós não fossem aperfeiçoados."

Deixe seu comentário







Perfil

Claudionor de Andrade Claudionor de Andrade é Consultor Teológico da CPAD, membro da Casa de Letras Emílio Conde, teólogo, conferencista, Comentarista das Revistas Lições Bíblicas da CPAD e autor dos livros “As Verdades Centrais da Fé Cristã”, “Manual do Conselheiro Cristão”, “Teologia da Educação Cristã”, “Manual do Superintendente da Escola Dominical”, “Dicionário Teológico”, “As Disciplinas da Vida Cristã”, “Jeremias – O Profeta da Esperança”, “Geografia Bíblica”, “História de Jerusalém”, “Fundamentos Bíblicos de um Autêntico Avivamento”, “Merecem Confiança as Profecias?”, “Comentário Bíblico de Judas”, “Dicionário Bíblico das Profecias” e “Comentário Bíblico de Jó”, dentre outros títulos da CPAD.

COLUNISTAS