14/05/2012 15:42

A Bíblia, o clássico (Parte III)

Expressão literária da experiência com Deus transmitida

 

Segundo alguns críticos literários, a página mais trabalhada da língua portuguesa é a Oração aos Moços de Rui Barbosa. Depois de ler este discurso por duas, ou três vezes, deixei-me embair pela singular precisão das frases e orações do grande tribuno. Ao voltar-me, todavia, ao texto sagrado, sou constrangido a reconhecer a superioridade da Bíblia. Cada palavra tem o seu lugar; cada verbo a sua função. Eis o que escreveu o sábio rei de Israel:

“Procurou o Pregador achar palavras agradáveis; e o escrito é a retidão, palavras de verdade. As palavras dos sábios são como aguilhões e como pregos bem fixados pelos mestres das congregações, que nos foram dadas pelo único Pastor. E, de mais disso, filho meu, atenta: não há limite para fazer livros, e o muito estudar enfado é da carne”, Ec 12.10-12.

Que outra obra foi escrita com tamanha exatidão? Homero? Vergílio? Camões? Nem Machado de Assis, com toda a sua transparência e naturalidade, logrou alcançar a precisão com que os profetas e apóstolos utilizaram as palavras para transmitir os arcanos divinos. Afinal, desejavam eles que a mensagem divina alcançasse a toda a humanidade.

A Bíblia foi composta pela experiência de homens que andaram com Deus. Temos, por exemplo, a história de Jó, cujo tema principal é o sofrimento dos justos. Por que o homem bom tem de sofrer? No momento mais agudo de sua vida, assim se expressa: “Quem me dera, agora, que as minhas palavras se escrevessem! Quem me dera que se gravassem num livro!”, Jó 19.23.

Quem de fato escreveu o livro de Jó? Eliú? O que mais importa é que, hoje, esta belíssima porção das Escrituras é estudada como uma das mais precisas e senhoriais composições da literatura. Os hagiógrafos tinham absoluta certeza de que, nos milênios por virem, a experiência de sua fé seria partilhada com toda a humanidade; vinham do coração de Deus para o coração de homens, mulheres, jovens e crianças que amam o Senhor enternecida e candidamente.

Se realmente existe um clássico universal, a Bíblia Sagrada é este clássico. Nela, há os mais perfeitos modelos de histórias, romances, poesias, dramas, epístolas e biografias. Está para surgir um livro que lhe seja semelhante; é a literatura inigualável e singular. Desconhecer a Palavra de Deus acarreta  pobreza espiritual, emocional e cultural. Foi o que descobri em minha Bíblia de couro quando ainda adolescente.

3 comentário
Facebook Compartilhe

COMENTÁRIOS

  • De: JOHN LENNON H.SOUSA

    Comentario: muito edificante este artigo.glorifico a DEUS por levar homens da envergadura do pastor CLAUDIONOR DE ANDRADE.Que DEUS continui lhe abençoando.
  • De: Lecy da Silva Cardozo

    Comentario: poesia com 12 estrofes ,lembro-me de algumas não de todas Biblia Sagrada De Deus mandada Seleste tocha de divina luz. torna minhalma cheia de calma.Pois nela encontro . Apaz de Jesus
  • De: JURANDINHO PEREIRA SILVA

    Comentario: Pr Claudionor, a paz do nosso Senhor e salvador Jesus cristo. parabens pelos comentarios sobre atos dos apostolos, eu gostaria de receber estudos sobre o mesmo em meu email ,se possivel, pois tambem gosto muito de ler este tratado quer o Dr lucas escreveu, pois consigo ver a Igreja desenvolvendo a sua verdadeira missao o ide de Jesus, trabalho tao desprezado infelismente por muitos nos dias atuais.que Deus continue abencoando ricamente o seu ministerio e a sua familia. Jurandinho pereira s

COMENTE





COLUNISTAS

Fechar RECEBA INFORMATIVO
teste