Colunistas

Ciro Sanches Zibordi

Ciro Sanches Zibordi

O chamado cair no poder faz parte do culto pentecostal?

Ter, 07/02/2017 por Ciro Sanches Zibordi

Muitos neopentecostais ou pentecostais mal-orientados têm atrelado erroneamente o “cair no Espírito” às verdades pentecostais. Além de citarem episódios da história do pentecostalismo, apegam-se a algumas passagens da Bíblia tidas como irrefutáveis. Posteriormente, pretendo fazer uma explicação sobre o “cair no Espírito” ao longo da história do Movimento Pentecostal. Neste texto, para não me estender muito, me aterei apenas aos principais textos bíblicos que supostamente embasariam o “cair no Espírito”.

Atos 2.1-16. O que ocorreu no dia de Pentecostes tem sido usado por aqueles que defendem o “cair no Espírito” como parte do culto genuinamente pentecostal. Eles afirmam que o “mover de Deus” ali foi tão grande, espantoso e sem limites, a ponto de uma parte da multidão reunida em Jerusalém ter pensado que os cristãos estavam embriagados (vv. 13,16).

De fato, os primeiros cristãos batizados com o Espírito Santo foram tidos como embriagados, mas o texto bíblico mostra que a zombaria dos judeus religiosos de todas as nações não se deu em razão de eles terem visto pessoas caídas ao chão ou tomadas por uma prolongada “unção do riso”. Na verdade, o servos de Deus pareceram estar embriagados porque, de modo sobrenatural, começaram a falar nas línguas de pessoas de diferentes nacionalidades que ali estavam (vv. 5-13).

1 Coríntios 1.25. Alguns defensores de manifestações não previstas em Marcos 16.15-18 citam 1 Coríntios 1.25 e argumentam: “Quem acha o cair no Espírito e a unção do riso estranhos não conhecem a unção da loucura de Deus. Ele pode fazer o que quiser. Não podemos colocar Deus numa caixinha”. Entretanto, estamos diante de um argumento que se autodestrói em cinco segundos!

O termo “loucura de Deus” não se refere à loucura proveniente de Deus. Trata-se de figuração de linguagem alusiva à superioridade da sabedoria do Senhor em relação à dos homens. Observe que o apóstolo Paulo também afirmou, no mesmo versículo, que “a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens” (1 Co 1.25). Ora, se existe a unção da loucura de Deus, por que não existiria também a unção da fraqueza de Deus?

Daniel 10.8-9 e Apocalipse 1.17. Os defensores do “cair no Espírito” gostam de dizer que Daniel e João caíram no poder de Deus. Examinemos com cuidado esses dois episódios. No primeiro caso, o profeta Daniel, sem forças para permanecer em pé, visto que havia jejuado por três semanas, caiu sobre o seu rosto, sendo imediatamente amparado por um enviado de Deus, que ordenou: “levanta-te sobre os teus pés” (Dn 10.11). Podemos comparar essa experiência com pessoas que caem para atrás após serem atingidas por um “paletó mágico”?

O caso de João é semelhante ao de Daniel (Ap 1.10-18). E fica claro que ele não foi derrubado por um sopro ou golpe de capa (naquela época não havia paletó). João também não deixou de usar o raciocínio. E ele, assim como Daniel, caiu prostrado sobre o seu rosto, diante da glória do Senhor. Com todo o respeito a quem pensa de modo diferente, não há como fazer um paralelo entre o cair aos pés do Senhor e o famigerado “cair no Espírito”.

João 14.12. Esta passagem tem sido muito citada na tentativa de avalizar o “cair no Espírito”, visto que o Senhor Jesus disse: “aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço e as fará maiores do que estas”. Entretanto, o termo “obras” (gr. ergon) não significa “novas unções” ou “manifestações exóticas”, e sim: “trabalho”, “ação”, “ato”.

Exegeticamente, “obras maiores” são as mesmas realizadas por Jesus, em maior quantidade e alcance, e não em qualidade. O Senhor não aludiu a novos “moveres”, e sim à pregação do Evangelho e à expansão do seu Reino na terra. No meu livro Mais Erros que os Pregadores Devem Evitar (CPAD, 2007) faço uma explicação bem detalhada de João 14.12 e outras passagens usadas de modo equivocado pelos defensores do “cair no Espírito” e a “unção do riso”.

1 Reis 8.10,11. Este, talvez, seja o texto mais citado pelos pregadores que ministram o “cair no Espírito”, os quais têm argumentado: “Ninguém suporta ficar de pé quando a unção do Espírito vem sobre nós”. Bem, vamos examinar com atenção o que aconteceu, começando com uma leitura atenta da passagem: “E sucedeu que, saindo os sacerdotes do santuário, uma nuvem encheu a Casa do SENHOR. E não podiam ter-se em pé os sacerdotes para ministrar, por causa da nuvem, porque a glória do SENHOR enchera a Casa do SENHOR”.

Como se percebe, essa passagem bíblica nada menciona a respeito do “cair no Espírito”. O que ela diz é que a nuvem da glória do SENHOR encheu a sua Casa e impediu os sacerdotes de ministrar. Quanto à frase “não podiam ter-se em pé”, a versão bíblica Almeida Revista e Atualizada (ARA) é ainda mais clara: “não puderam permanecer ali”; não tiveram como ministrar, por causa da nuvem que encheu a Casa.

Diante do exposto, o fogo é uma bênção, desde que esteja sob controle. A eletricidade, de igual modo, precisa ser controlada nas subestações. E um trem pode alcançar grande velocidade, mas sempre corre no trilho. Assim, o culto a Deus deve ser controlado pelo Espírito Santo, que age em perfeita harmonia com a Palavra do Senhor, para que tudo ocorra com decência e ordem (1 Co 14.20-40).

Em Atos dos Apóstolos não há nenhum abono ao “cair no Espírito”. Em 1 Coríntios 12.28, vemos que Deus hierarquiza dons e ministérios. E, ao fazer isso, Ele prioriza os três ministérios ligados à pregação e ao ensino da Palavra: “pôs Deus na igreja, primeiramente, apóstolos, em segundo lugar, profetas, em terceiro, doutores”. E o que tenho percebido em minhas pesquisas é que, nas igrejas em que ocorre o “cair no Espírito”, a exposição da Palavra do Senhor se torna secundária ou até desnecessária. E mais: à luz de Marcos 9.17-27 e Lucas 4.35, são os demônios quem lançam pessoas ao chão!

O Senhor Jesus jamais derrubou alguém mediante sopros, golpes de capa ou imposição de mãos. Em seu ministério terreno, Ele ensinava, pregava e curava os enfermos (Mt 4.23; At 10.38). Que tal seguirmos o conselho da Palavra de Deus em 1 João 2.6? “Aquele que diz que está nele também deve andar como ele andou”.

Ciro Sanches Zibordi

24 comentários

ROSIVAN ROCHA RAFAEL

CONCORDO PLENAMENTE POIS PRECISAMOS SEMPRE A TENTA BEM PARA A PALAVRAS DE DEUS

Eliel Feitosa da Silva

A PAZ DO SENHOR Um texto excelente PrEliel Feitosa

João Santos

Amado pastor Ciro, gostaria de saber se o senhor já leu o livro " O DIÁRIO DO PIONEIRO GUNNAR VINGREN ' publicado pela CPAD em 1982.

HIAGO

Texto muito rico irmão. Deus seja louvado por isso! Acredito que muitas dessas Igrejas são uma vergonha para o Movimento Pentecostal. Somos Pentecostais, mas colocamos a palavra como primazia no culto, não colocamos o "cair", o retété, a unção disso ou daquilo. Por isso existem muitos crentes fracos, que acabam sendo levados no primeiro vento de doutrina estranha. Onde já se viu uma Igreja Pentecostal que não tem lugar para a palavra de Deus? Deus nos ajude a conservarmos o amor a sua palavra.

celio roberto machado

A PAZ DE NOSSO SENHOR JESUS caro pastor CIRO , tenho muitA adimiracao pelo senhor e suas obras literarias , sou assembleiano e nao abro mao de minhas convicçoes concordo com o artigo acima . pois queria eu fazer uma pergunta e possivel uma pessoua ser batizada com o espirito santo , nao falar em lingua estranha mesmo que paulo nos relata que o falar em linguas asim como interpretalas e um dom gostaria d saber a seu ponto de vista , aproposito ja li todos seus livros GLORIA A DEUS

Geazi

A paz do Senhor. Ótimo texto, admiro muito suas reflexões bíblicas. Nesse texto me sobrou uma Dúvida, e quando o 'cair no espírito' acontece sem intervenção ou influência externa, (foi citado, o palitó, o sopro, a mão na cabeça, mas e quando não ha nada disso) e a pessoa não tem esse habito. Mas acontece assim sem interferência externa sem repetições. Não seria uma experiência extraordinária (fora do comum), mas real?

Douglas viana

Muito desses cair só é obra dá carne, tem pregador que gosta de ver os outros caindo.

ELIVELTON

A paz. E sobre pessoas sendo curadas de alguma doença, caírem e serem anestesiadas?

Lidia Coelho da Costa

Pr Ciro a Paz do Senhor, enriquecedores seus comentários.

Rafaelo Procopio Rocha

Olá a paz do Senhor Pastor Gostaria de perguntar estas línguas são humanas,sendo que todas as vezes que aparece esta se referindo a palavra γλώσσαις Glossais.. Que é língua órgão ou até mesmo idioma... Neste ponto que eu queria saber..Existe algo que mostre que é uma língua celestial ? ou é uma língua humana ? I Co 13:1 eu não vejo que ali Paulo fale línguas de Anjos esta "AINDA que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos"Εὰν ταῖς γλώσσαις τῶν ἀνθρώπων λαλῶ καὶ τῶν ἀγγέλων ..Deus abençoe

Ciro Sanches Zibordi

A paz do Senhor (saudação 100% assembleiana), irmã Sílvia! Permaneço na Assembleia de Deus porque sou pentecostal e assembleiano de carteirinha (risos). Amo a minha denominação, ainda que eu adore a Jesus Cristo e tenha a sua Palavra como fonte primária de autoridade. A Assembleia de Deus, como denominação, se dividiu e se subdividiu. Mas há ainda a Assembleia de Deus fiel ao Deus da Assembleia. Esta, para mim, é a melhor denominação que existe. Falo do lado negativo para valorizar o positivo!

Rafael

Muito bom e esclarecedor o artigo, assim como os livros de sua autoria que já li. Gostaria de saber qual a posição bíblica sobre "arrebatamento em espírito"? Tem fundamento? Deus abençoe, e fique na paz!

Sílvia

Prezado Pastor, gosto muito dos seus textos, sao miuto esclarecedores, porém não entendo como o senhor, sabendo de todas essas coisas, consegue permanecer na AD diante de tantas heresias pregadas nos púlpitos. Que Deus continue te abençoando. Graça e paz.

Ciro Sanches Zibordi

Irmão Alexandre, o mais importante em Atos 2 é que as línguas que os primeiros cristãos falaram foram SOBRENATURAIS, decorrentes do derramamento do Espírito no dia de Pentecostes. Eles indoutos; eles não tinham condições de falar aquelas línguas sem o revestimento de poder do alto. O irmão discorda disto?

Alexandre Silveira

Em Atos 2.1-16 eles estavam falando em línguas das nações correto? Onde prova que estavam falando em Glossolalia?

Sidnei

Pastor Ciro, Realmente. Obrigado pela explicação. Minha interpretação estava errada. Sidnei.

Ciro Sanches Zibordi

Irmão Alexandre, o texto bíblico mostra, de modo CLARÍSSIMO, que as línguas faladas foram SOBRENATURAIS. Leia-o com atenção. A paz do Senhor.

Ciro Sanches Zibordi

Irmão Sidnei, grato por seu comentário. Mas, atenção à leitura: "todos os TEMOS OUVIDO EM NOSSAS PRÓPRIAS LÍNGUAS falar das grandezas de Deus. E todos se maravilhavam" (At 2.11,12). Estes se maravilhavam DE QUÊ? O texto continua: "E outros, zombando, diziam: Estão cheios de mosto" (v. 13). Estes zombavam DO QUÊ? O texto é claríssimo, amado irmão, pois nada aconteceu além do que a Bíblia menciona. E mais adiante Pedro diz: "Estes homens não estão embriagados, como vós pensais" (v. 16). A paz!

Francisco Odesio Oliveira Saraiva

Concordo com o senhor pastor. Hoje em dia está sendo pregado mais o evangelho do movimento do que o da Salvação.

Sidnei

Na primeira parte do texto o pastor menciona a questão da zombaria dos judeus para com os cristãos e afirma o motivo porque os cristãos pareciam embriagados. O motivo, segundo o pastor, seria porque eles começaram a falar nas línguas de pessoas de diferentes nacionalidades. Porém uma leitura atenta ao texto Bíblico nos mostra que a Bíblia não revela, de forma explicita, o motivo da zombaria. O que podemos fazer é supor que tenha sido por um motivo ou outro. No mais o texto é útil.

Alexandre

Atos 2.1-16 eles não estavam falando em línguas Glossolalia? Onde eles falaram em línguas Glossolalia?

Douglas Alves de Araujo

Muito bom . Graças a Deus que na minha igreja não existe esse tipo de "unção" mesmo sendo uma igreaj assembleiana, pois aqui no estado do Ceará está cheio de "assembléias" com esse tipo de unção . Deus o abençoe !

Sérgio Luís

Amado pastor, mais uma vez somos abençoados por Deus através de seus escritos. Além do assunto pautado, temos ainda as gospel-night, os atos "proféticos" , “determinações"e outras aberrações.

Jose Claudio Ferreira dos santos. Junior

Concordo plenamente pastor, Imprecindivel esta espalanação.esta é. a parte da igreja que precisa novamente de uma reforma,biblica e genuinamente espiritual!

Deixe seu comentário







Perfil

Ciro Sanches Zibordi é pastor, escritor, membro da Casa de Letras Emílio Conde e da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Autor do best-seller “Erros que os pregadores devem evitar” e das obras “Mais erros que os pregadores devem evitar”, “Erros que os adoradores devem evitar”, “Evangelhos que Paulo jamais pregaria”, “Adolescentes S/A” e “Perguntas intrigantes que os jovens costumam fazer”, todos títulos da CPAD. É ainda co-autor da obra “Teologia Sistemática Pentecostal”, também da CPAD.

COLUNISTAS