Colunistas

Ciro Sanches Zibordi

Ciro Sanches Zibordi

Existe mesmo a cultura do estupro?

Ter, 31/05/2016 por Ciro Sanches Zibordi

Há alguns dias, depois que veio à tona um caso de estupro coletivo, no Rio de Janeiro, muitos formadores de opinião, inclusive pastores, têm afirmado, de modo peremptório, que existe no Brasil a “cultura do estupro” (rape culture), termo cunhado por feministas, nos Estados Unidos, nos anos de 1970. De acordo com sociólogas e antropólogas militantes do feminismo, estamos, sem dúvida, diante de um fato social, termo criado por Émile Durkheim (1858-1917) para designar um fenômeno geral (ocorre em todos os lugares), exterior (não é praticado apenas por um indivíduo) e coercitivo, pelo qual se molda uma sociedade, como leis, preconceito, cultura, uso do telefone celular etc.

A “cultura do estupro” — segundo as feministas — está baseada em um tripé: profunda desigualdade de gênero, constante desumanização da mulher e objetificação de seu corpo. E envolveria crenças e normas de comportamento decorrentes do machismo e do patriarcalismo prevalecentes no Brasil, dos quais resultam valores específicos que banalizam, legitimam e toleram a violência sexual contra a mulher. Dizem que tais normas se fundamentam na ideia de que o valor da mulher como ser humano está atrelado a uma conduta moral relacionada à sexualidade. A simples existência de normas já caracterizaria a falta de direito da mulher sobre o próprio corpo e suas vontades. Daí usarem em protestos o bordão: “Meu corpo, minhas regras”.

Para as feministas, a mulher deve se libertar de toda e qualquer norma alusiva à moralidade. E aqui começo a alertar as servas do Senhor: esse pensamento feminista não se coaduna com a Palavra de Deus. As Escrituras têm sim um código moral que se aplica a “todas e todos” (cf. Mt 5-7). O cristão que se preza — seja mulher, seja homem — rejeita a imoralidade e não luta pela prevalência da sua própria vontade, pois sabe que a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável (Rm 12.2). Jesus não obriga ninguém a segui-lo, mas disse: “Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo” (Lc 9.23).

A existência de normas de conduta em relação às mulheres — afirmam as feministas — causa a sua objetificação, fazendo com que elas sejam vistas como objetos, uma vez que as que se submetem às normas patriarcais e machistas são tidas como mulheres “com valor”, enquanto as outras são tratadas como “sem valor”. Entretanto, aceitem as feministas ou não, a Palavra de Deus, especialmente o livro de Provérbios, faz clara distinção entre a mulher adúltera e a mulher virtuosa (7.10; 12.4; 30.20; 31.10 etc.). Nesse caso, uma irmã que abraça a tese feminista da objetificação decorrente da submissão a normas de conduta estará se colocando contra o Deus santo, que exige de “todas e todos” uma conduta santa, diferente do mundo (1 Pe 1.15,16; Hb 12.1-14).

Mas as feministas vão muito mais longe, ao defender esse suposto fato social. Dizem que a mulher se tornou um objeto e também foi desumanizada. E, por isso mesmo, é passível de estupro, assassinato etc. Em outras palavras, em razão de ela ser obrigada — lembre-se de que o fato social é coercitivo — a submeter-se a regras ditadas pelo patriarcado, ela não só perdeu o direito sobre o seu próprio corpo, como é obrigada a pertencer à família, ao marido, à igreja e à lei, e nunca a ela mesma!

Quando olhamos para a Palavra de Deus, vemos que o nosso “eu” já foi crucificado com Cristo e devemos viver para Ele (Gl 2.20; 2 Co 5.17). Não temos direito sobre nosso próprio corpo, mas devemos oferecê-lo a Deus como um sacrifício vivo, santo e agradável (Rm 12.1). Quanto à família, foi o Senhor quem a estabeleceu, definindo claramente os papéis da mulher e do homem (Ef 5.22-33). Em relação ao casamento, a Palavra de Deus diz: “A mulher não tem poder sobre seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também, da mesma maneira, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher” (1 Co 7.4). Percebeu como o feminismo é perigoso, embaraçante (cf. Hb 12.1,2), inconveniente (cf. 1 Co 6.12) e incompatível com a fé cristã?

As feministas alegam que a sociedade “machista” e “patriarcal”, baseada na cosmovisão judaico-cristã, tem ditado à mulher regras pelas quais visa a controlar a sua sexualidade, dando a ideia de que ela deve preservar sua castidade para ser vista como digna de valor e respeito. Mas isso não vale apenas para as mulheres! Cristãos que se prezam — “todas e todos” — devem ter uma vida casta, santa, digna de valor e respeito. A santificação do Espírito que ocorre dentro de nós deve se exteriorizar (1 Ts 5.23), a fim de que tenhamos um bom testemunho e brilhemos como astros neste mundo tenebroso (Mt 5.13-16; Fp 2.14,15).

De acordo com o feminismo, ainda, nenhuma mulher deve se preocupar com a sua conduta. Ela pode se vestir como quiser, em qualquer lugar, inclusive dentro das igrejas, não podendo ser vista como vulgar ou “oferecida”. Cabe aos homens, sempre, respeitá-la, haja o que houver. Ela tem o direito de “provocar” o homem — cuja “máquina sexual”, como se sabe, é ativada facilmente por meio da visão —, como ocorre nos bailes funk, em que mulheres, quase nuas, simulam, por meio da dança, o ato sexual. E, caso ela resolva passar inteiramente nua em frente a uma obra, rebolando, ninguém teria, em tese, o direito de “elogiá-la” ou fazer gracejos.

Embora pareça contraditória a ideia de que são direitos da mulher tirar a roupa onde quiser, seduzindo homens, ou até vender seu corpo, as feministas insistem em defendê-la, pois, assim, nenhum estuprador ou assediador poderá alegar que se sentiu “provocado”, ao cometer um crime. Evidentemente, nada justifica o estupro, o assédio sexual e outros crimes contra a mulher. No entanto, seria justo responsabilizar o homem, diante dos exemplos citados, de tornar a mulher um objeto e desumanizá-la?

Lamentavelmente, já há irmãs em Cristo, cooptadas pelo feminismo, desprezando a Palavra de Deus. Elas vão para os cultos com roupas provocantes e, caso um homem, sentindo-se tentado, olhe para elas, correm logo para as redes sociais ou para a “rodinha da fofoca” para dizer que fulano é um sem-vergonha. Não nos esqueçamos — e isto é doutrina! — do que está escrito em 1 Timóteo 2.9: “Que do mesmo modo as mulheres se ataviem em traje honesto, com pudor e modéstia”.

As feministas dizem, finalmente, que é um erro classificar os estupradores como “monstros” ou portadores de alguma patologia. Elas preferem dizer que a culpa é da “cultura do estupro”, do “patriarcado”, do machismo, e que a solução é dar à mulher pleno direito sobre seu corpo, o que inclui abortar quando quiser. Nesse caso, deve uma serva de Deus ser uma militante feminista e defender o aborto? Ora, sabemos que a vida gerada no ventre de uma mulher, ainda que esteja em seu corpo, não é extensão dele. Ela não tem o direito de assassinar um ser humano, que, a despeito de depender dela para sobreviver, é outra pessoa, outra vida.

Diante do exposto, é preocupante que irmãs em Cristo defendam a falaciosa e anticristã ideia da “cultura do estupro”. Algumas, inclusive, têm se levantando contra os pastores, em suas igrejas. Dizem que, nos tempos bíblicos, o machismo imperava e, por isso, a Bíblia precisa ser contextualizada, para que as mulheres não sejam mais subjugadas. Bem, se foi Deus quem entregou a Lei a Moisés, pergunto: Seria o Senhor machista? Quanto a Jesus, considerando que Ele veio ao mundo para quebrar paradigmas — não tendo nenhum compromisso com os machistas — e “chamou para si os que ele quis” (Mc 3.13), por que não escolheu seis casais ou doze mulheres, e sim doze homens? Por que o Mestre não se opôs ao “patriarcado”? Pense nisto.

Ciro Sanches Zibordi

25 comentários

Misael lopes

Extraordinário esse artigo!

JORDAN GOMES

Segue os lynks para o irmão ouvir e dar suas considerações sobre meu post anterior. http://oscabracast.com.br/50-cultura-do-estupro http://achandograca.com.br/gracagirls-extra-cultura-do-estupro http://oscabracast.com.br/correio-elegante-50 Vejo na verdade muito marxismo e feminismo travestido e chamado de cristianismo.

JORDAN GOMES

Excelente artigo pastor Ciro, Gostaria muito que o amado escrevesse algo sobre as vantagens e os perigos dos chamados podcasts cristãos. Eu ouço alguns que julgo serem bons em conteúdo e edificantes. Mas tenho ouvido outros de conteúdo marcado por marxismo, feminismo, mundanismo e diversas outras ideologias e visões de mundo contrarias a fé cristã. Mas tendo a pecha de podcasts cristãos podem influenciar a mente dos mais jovens e despreparados a andarem fora do ensinamento cristãos.

Ciro Sanches Zibordi

Caro Paulo Melo, sua crítica, sem nenhum conteúdo, é inócua.

HERIVELTON MARCULINO DA sILVA IEADPE

A paz do Senhor, pr Ciro, venho parabenizar-lhe por mais um ótimo artigo.

Paulo Melo

Texto completamente sem sentido...misturando alhos com bugalhos. Lamentável.

JOSÉ MARCOS IEADPE

Parabéns pelo belíssimo comentário! A Bíblia revela qual deve ser o papel do HOMEM e da MULHER na sociedade. O problema é que devido ao pecado, a sociedade procura os seus próprios caminhos. fiquemos com a Palavra de Deus!

amiel nascimento da rocha

Feminismo não tem sustentação diante das escrituras e até mesmo não se apoia tais questões na constituição.A mulher casando-se e não querendo trabalhar o homem é o provedor do lar.Ambos estão de modo dependente um do outro e as vantagens que o trabalhador tem se aplica a esposa,pois é família.Se porém ambos trabalham as vantagens que se aplica para cada um sendo do homem para a mulher e da mulher para o homem continuam a valer,isto trazendo para nosso meio o igualitarismo com base na legalidade.

Washington

Parabéns PR Ciro Sanches as feministas sempre tentam contrariar à verdade bíblica e não se dão conta que a "cultura do estupro" estão justamente empreginadas em vários pontos como as músicas impróprias e imorais em bailes funk onde exibem letras como 'são as cachorras' mas muitas mulheres e jovens vão lá curti mesmo que as letras menosprezam totalmente as mulheres e muitas até gostam de ir até estes bailes funk dançarem e até consumir drogas se prostituirem enfim .várias coisas como novelas etc

Keylla

Parabéns pastor, pela coragem e falar a verdade. Muitas mulheres em nosso meio ,são adeptas ao feminismo e nem se dão conta. A Bíblia ,Palavra de Deus é a nossa luz ,nesse mundo de trevas. Que Deus continue te abençoando!

apaz do senhor ,quero parabenizar ao senhor pr.ciro sanchers ,por ser uns dos que combate o pecado com a inerante e infalivel palavra de Deus

Apaz do senhor Pr.ciro Sanches,dou Graças a Deus pela sua vida ,pois vejo que ainda Deus tem obreiros na sua seara que e protestante do pecado e não concordamos com ensinamentos que venha a frontar a palavra de Deus,ainda tem sete mil que não dobraram os joelhos após modenidade.

Rosana Rodrigues dos Santos

Hoje em dias é lamentável você ir a igreja e ter que aceitar jovens de mini saia e decote,mulheres casadas que se dizem servas de DEUS com roupas extravagantes. Sou contra qualquer tipo de violência contra a mulher,mas o que a sociedade está impondo contraria a boa conduta cristã.

Ciro Sanches Zibordi

A prezada Scarlet, seguidora de Cristo, já leu a Bíblia? Se já, sugiro que a leia novamente, sem as lentes das filosofias pós-modernas. O "poder" de sedução da mulher está evidente desde o Gênesis. Quanto ao perigo de a mulher seduzir o homem e levá-lo ao mal caminho, leia Provérbios, por exemplo. A irmã usa o costumeiro "mimimi" contra as igrejas... Mas, o que é a Bíblia para a irmã, a Palavra de Deus? Se não o for, inútil discutirmos. Para mim, ela é a Palavra de Deus, inerrante e infalível.

Scarlet

Como seguidora de Cristo e não de templos construídos por homens, me pergunto:Quando as igrejas redescobrirão a graça pregada por Cristo?As igrejas que se dizem cristãs,não seguem os preceitos que Cristo nos passou e continua, assim como o senhor, inconscientemente o faz, se atentando muito mais ao que foi determinado por homens imbuídos da sua cultura anacrônica. Lamentável que seja mencionado a responsabilidade da suposta "sedução" da mulher, como se o homem não pudesse se "defender". Lamento!

Oseias Abreu de Carvalho

Parabéns querido pastor Ciro, texto lucido expondo com sabedora profundas verdades, verdades essas que a igrejas precisar "engrossar o coro contra essas falácias feministas" e infelizmente muitos crente tem sido cooptados. Deus continue abençoando!

Ciro Sanches Zibordi

Agradeço a "todas e todos" (risos) pelos comentários. Que Deus os abençoe!

jonas moreira

parabens PASTOR CIRO PELO BELISSIMO ARTIGO. GRANDE APOLOGISTA!!!!

Sérgio Luís

Pr.Ciro, a paz do Senhor. Será que se esta jovem e os rapazes envolvidos neste crime bárbaro, estivessem participando de um culto ao Senhor, de modo racional e santo,este sórdido episódio teria acontecido? Será falta de fé, de igrejas, de evangelismo? De uma coisa tenho certeza, Deus não está em falta. Procuremos e o acharemos

Anselmo Silva

Li um artigo em que o autor culpava todos os homens por cada estrupo que si acontece ou aconteceu nesse país; acho isso um absurdo, e mais absurdo ainda é ficar sabendo por este artigo que algumas irmãs em Cristo adotaram idéias feministas que por sua vez contrariam a palavra de Deus. São coisas que tem corrompido os bons costumes. Deveriam elas pelo bom comportamento em Cristo (pudor, modéstia, sujeição, prudência, decência) ser o sal deste mundo, influenciando-o e não sendo influenciadas.

Elizelda

Deus lhe abençoe, Pr Ciro! Continue deixando-se guiar pelo Espírito Santo e ser usado por Deus para instruir a Igrejas de Cristo no Caminho!

sandro barcelos paulo barcelos

DEVEMOS CRIAR OUTRA FRASE DE FEITO CONTRARIO NAS REDES SOCIAIS "SOU HOMEM E NÃO SOU ESTUPRADOR"

sandro barcelos paulo barcelos

" CULTURA DO ESTRUPO" é a nova frase de efeito criada com um único objetivo , servir como uma plataforma para desfilarem os defensores de ideias feministas , tal como foi a frase " MEU CORPO MINHAS REGRAS" qualquer ideia de normas para homem e para mulheres que estabeleça algum tipo de papeis sócias distintos é visto como opressão patriarcal e machista,Não é difícil você encontrar por ai feministas defendendo que as mulheres devam copiar o que há de pior nos homens

sandro barcelos paulo barcelos

" CULTURA DO ESTRUPO" é a nova frase de efeito criada com um único objetivo , servir como uma plataforma para desfilarem os defensores de ideias feministas , tal como foi a frase " MEU CORPO MINHAS REGRAS" qualquer ideia de normas para homem e para mulheres que estabeleça algum tipo de papeis sócias distintos é visto como opressão patriarcal e machista,Não é difícil você encontrar por ai feministas defendendo que as mulheres devam copiar o que há de pior nos homens

rolim

A paz do senhor podemos notar ai mas uma fez o forte poder que a mídia tem de trazer as pessoas pra defender algo mesmo que não o saiba sua verdadeira fonte e origem. Usam muito aquele frase de impacto " A voz do povo é a voz de deus" e entram em barcos que estão indo rumo a destruição pois apenas verem a ponta de um iceberg e não sabe o que esta por baixo, inclusive neste contexto existem muitos que se dizem homens e mulheres de Deus. Querem ser politicamente correto.

Sidnei

Graça e Paz aos irmãos em Cristo, Concordo plenamente com o artigo, veio em tempo oportuno. Fico realmente impressionado como tudo "em nossos tempos" tem seguido uma linha, por assim dizer, contra Deus e Sua Palavra. Pastor Ciro, parabéns pela coragem de expor as verdades Bíblicas em tempos de apostasia.

Deixe seu comentário







Perfil

Ciro Sanches Zibordi é pastor, escritor, membro da Casa de Letras Emílio Conde e da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Autor do best-seller “Erros que os pregadores devem evitar” e das obras “Mais erros que os pregadores devem evitar”, “Erros que os adoradores devem evitar”, “Evangelhos que Paulo jamais pregaria”, “Adolescentes S/A” e “Perguntas intrigantes que os jovens costumam fazer”, todos títulos da CPAD. É ainda co-autor da obra “Teologia Sistemática Pentecostal”, também da CPAD.

COLUNISTAS