04/10/2010 18:01

Não toqueis nos meus ungidos

O perigo de uma frase bíblica tornar-se um chavão e ser mal-utilizada

Não toqueis nos meus ungidos

A frase bíblica “Não toqueis nos meus ungidos” (Sl 105.15) tem sido empregada para os mais variados fins. Maus obreiros, falsos profetas, adoradores-ídolos e até políticos “evangélicos” se valem dela para ameaçar seus críticos; crentes mal-orientados usam-na para defender seu “ungido”, mesmo que ele defenda abertamente o aborto; e outros ainda a empregam para reforçar a ideia de que não cabe aos servos de Deus julgar ou criticar heresias e conduta antibíblica.

Quando examinamos os contextos literário e histórico-cultural da frase acima, vemos que ela está longe de ser uma regra geral. Uma leitura atenta do Salmo 105 não nos deixa em dúvida: os ungidos mencionados são os patriarcas Abraão, Isaque, Jacó (Israel) e José (vv.9-17). Ademais, o título “ungido do Senhor” refere-se tipicamente, no Antigo Testamento, aos reis de Israel (1 Rs 12.3-5; 24.6-10; 26.9-23; Sl 20.6; Lm 4.20) e aos patriarcas, em geral (1 Cr 16.15-22).

Embora a frase não encerre um princípio geral, podemos, por analogia, afirmar que Deus, na atualidade, protege os seus ungidos assim como cuidou dos seus servos mencionados no Salmo 105. Mesmo assim, não devemos presumir que todas as pessoas que se dizem ungidas de fato o sejam. Lembre-se do que o Senhor Jesus disse acerca dos “ungidos”: “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! Entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus” (Mt 7.21).

É claro que a Bíblia apoia e esposa o pensamento de que o Senhor cuida dos seus servos e os protege (1 Pe 5.7; Sl 34.7). Mas isso se aplica aos que verdadeiramente são ungidos, e não aos que parecem, pensam ou dizem sê-lo (Mt 23.25-28; Ap 3.1; 2.20-22). Afinal, “O Senhor conhece os que são seus, e qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniquidade” (2 Tm 2.19).

Quando Paulo andou na terra, havia muitos “ungidos” ou que aparentavam ter a unção de Deus (2 Co 11.1-15; Tt 1.1-16). O imitador de Cristo nunca se impressionou com a aparência deles (Cl 2.18,23). Por isso, afirmou: “E, quanto àqueles que pareciam ser alguma coisa (quais tenham sido noutro tempo, não se me dá; Deus não aceita a aparência do homem), esses, digo, que pareciam ser alguma coisa, nada me comunicaram” (Gl 2.6).

Aparência, popularidade, eloquência, títulos, status, anos de ministério, quantidade de votos obtidos... Nada disso denota que alguém esteja sob a unção de Deus e imune à contestação à luz da Palavra de Deus. Muitos enganadores, ao serem questionados quanto às suas pregações e práticas antibíblicas, têm citado a frase em análise, além do episódio em que Davi não quis tocar no desviado rei Saul, que fora ungido pelo Senhor (1 Sm 24.1-6). Mas a atitude de Davi não denota que ele tenha aprovado as más obras daquele monarca.

Se alguém, à semelhança de Saul, foi um dia ungido por Deus, não cabe a nós matá-lo espiritualmente, condená-lo ao Inferno. Entretanto, isso não significa que devamos silenciar ou concordar com todos os seus desvios do Evangelho (Fp 1.16; Tt 1.10,11). O próprio Jônatas reconheceu que seu pai turbara a terra; e, por essa razão, descumpriu, acertadamente, as suas ordens (1 Sm 14.24-29).

O texto de Salmos 105.15 não proíbe o juízo de valor, o questionamento, o exame, a crítica, a análise bíblica de ensinamentos e práticas de líderes, pregadores, milagreiros, cantores, etc. Até porque o sentido de “toqueis” e “maltrateis” é exclusivamente quanto à inflição de dano físico.

É curioso como certos “ungidos”, ao mesmo tempo que citam o aludido bordão em sua defesa — quando as suas práticas e pregações são questionadas —, partem para o ataque, fazendo todo tipo de ameaças. O show-man (e não pregador, como muitos pensam) Benny Hinn, por exemplo, verberou: “Vocês estão me atacando no rádio todas as noites — vocês pagarão e suas crianças também. Ouçam isto dos lábios dum servo de Deus. Vocês estão em perigo. Arrependam-se! Ou o Deus Altíssimo moverá sua mão. Não toqueis nos meus ungidos...” (citado em Cristianismo em Crise, CPAD, p.376).

Quem são os verdadeiros ungidos, os quais, mesmo não se valendo da frase citada, têm de fato a proteção divina, até que cumpram a sua vontade? São os representantes de Deus que, tendo recebido a unção do Santo (1 Jo 2.20-27), preservam a pureza de caráter e a sã doutrina (Tt 1.7-9; 2.7,8; 2 Co 4.2; 1 Tm 6.3,4). Quem não passa no teste bíblico do caráter e da doutrina está, sim, sujeito a críticas e questionamentos (1 Tm 4.12,16).

Infelizmente, muitos líderes, pregadores, cantores e crentes em geral, considerando-se ungidos ou profetas, escondem-se atrás do bordão em análise, mentem e cometem todo tipo de pecado, além de torcerem a Palavra de Deus. Caso não se arrependam, serão réus naquele grande Dia! Os seus fabulosos currículos — “profetizamos”, “expulsamos”, “fizemos” — não os livrarão do juízo (Mt 7.21-23).

Portanto, que jamais aceitemos passivamente as heresias de perdição propagadas por pseudo-ungidos, que insistem em permanecer no erro (At 20.29; 2 Pe 2.1; 1 Tm 1.3,4; 4.16; 2 Tm 1.13,14; Tt 1.9; 2.1). Mas respeitemos os verdadeiros ungidos (Hb 13.17), que amam o Senhor e sua Santa Palavra, os quais são dádivas à sua Igreja (Ef 4.11-16). Quanto aos que, diante do exposto, preferirem continuar dizendo — presunçosamente e sem nenhuma reflexão — “Não toqueis nos meus ungidos”, dedico-lhes outro enunciado bíblico: “Não ultrapasseis o que está escrito” (1 Co 4.6, ARA). Caso queiram aplicar a si mesmos a primeira frase, que cumpram antes a segunda!

Ciro Sanches Zibordi

14 comentário
Facebook Compartilhe

COMENTÁRIOS

  • De: Marcos Castro

    Comentario: Muitos incrédulos e crentes (será?) querem desviar a atenção da sua conduta anti-bíblica se utilizando do versículo "Não julgueis para que não sejais julgados". Isto é uma tristeza! Ao invés de humildemente aceitar o erro e mudar, tentam se justificar. Continue deixando Deus te usar Pr. Ciro para desmascará-los.
  • De: Ismael Lino

    Comentario: Como há "líderes" escondendo-se vergonhosamente atrás da Palavra de Deus e usando-a a bel-prazer para verem-se livres de qualquer objeção. Mas, como o Pastor Ciro bem frisou, "seus fabulosos currículos ... não os privarão do juízo". Parabéns pelo excelente comentário. Que Deus continue usando-o para abrir os olhos e o coração de muitos.
  • De: Emerson

    Comentario: Caro pastor Ciro a paz do Senhr, sempre ouvi esta frase bilbica de meus parentes que estão na obra, eu por natureza sempre fui questionar, mas sempre pautado na biblia e sei o quanto isso atrapalha a obra de Deus, continue nos escrevendo artigos como esses nos ajudam e muito até importa que haja dissenções para que os SINCEROS se manifestem.
  • De: Izaldil Tavares de Castro

    Comentario: Nada preciso acrescentar. Excelente instrução desse abnegado ensinador assembleiano, Pastor Ciro Sanches Zibordi. Concordo com os comentários precedentes e oro para que Deus continue usando seu servo, em favor daqueles que anseiam por uma igreja sadia e conhecedora da Palavra.
  • De: Tiago Rosas

    Comentario: Pois é, infelizmente hoje não há muito espaço nas igrejas para quem quer questionar, examinar ou fazer justas críticas. Os homens querem mesmo é bajuladores que lhes dirijam falsas lisonjas, e jamais ousem desafiá-los. Que Deus nos ajude, e levante entre nós alguns Jeremias, alguns Danieis, alguns João Batistas...
  • De: Maria do Socorro Medeiros

    Comentario: Caro Pastor Ciro, Recentemente fui praticamente convidada a sair da Igreja a qual pertencia porque questionei a atitude do Pastor Presidente em nomear uma mulher para assumir como a Pastora da Igreja (Assembléia de Deus ) em questão. Atualmente estou freqüentando a Assembléia de Deus Ministério Ebenézer e estou feliz. Também ando muito preocupada com esses movimentos esquisitos que estão acontecendo nas Igrejas Pentecostais. Sou praticamente uma nova convertida, batizada nas águas em ou
  • De: lourival neves

    Comentario: A paz do Senhor.Fica cada dia mais evidente que temos que ser como os bereanos.Como?:Analizar o que pregam os"pregadores?",ratificar nas escrituras ,corrigir e combater esses erros gigantescos que tiram a paz de muitos.
  • De: Tamar

    Comentario: Isso foi uma aula!
  • De: Leandro Vieira Cirilo

    Comentario: Já vi uma congregação "desmanchar", almas se desviarem por causa de um "lider" que se protegia atraz desta frase, e os maus frutos estão gerando até os dias de hoje. Creio que esta lição da EBD, irá nos ensinar como combater esses fatos.
  • De: Rubens

    Comentario: Excelente! Chega de falácias, falsos mestres, obreiros fradulentos, jactanciosos, avarentos, iníquos! Que o Senhor, nesses últimos dias, levante mais obreiros de verdade, que tenham de fato compromisso Deus e com sua Palavra! Deus, nos guarde dos lobos devoradores! Parabéns Pr. Ciro, continue batalhando pela fé evangélica.
  • De: roberto felipe

    Comentario: estou aqui so para questionar mas para parabenizar porque este grande artigo que escreveu sem duvidas vem de inspiracao divina pelo momento que a igreja de CRISTO passa hoje.
  • De: Fernando Mercurio

    Comentario: Caro pastor Ciro. Com muita alegria li o post, concordo totalmente com o que foi exposto. Parabéns por abordar tão bem o assunto. Como sempre deixando tudo bem claro, agindo de forma respeitosa. E o mais importante. Atingindo o alvo!
  • De: Benedito Cesar de Jesus S

    Comentario: Fico feliz ao ler os comentários postulados pelo irmão. Creio que essa verdade precisa ser propapagada de forma a alcançar os que por comodismo se deixam arrastar por lideranças doentias que não se permitem serem questionadas nos seus atos. Parabéns
  • De: Rafael Vasconcelos

    Comentario: É salutar o seu comentário.Já ouvi muitas vezes o texto em questão(Sl105:15) ser utilizado para não questionar os erros bíblicos,administrações corruptas, visões e modismos dentro da igreja por parte dos líderes ditos "ungidos do senhor",como se eles fossem uma classe especial para Deus e os demais Cristãos meros vassalos subordinados.

COMENTE





COLUNISTAS

Fechar RECEBA INFORMATIVO
teste