Colunistas

Pr. Antonio Gilberto

Pr. Antonio Gilberto

Ética Cristã no culto (parte II)

Sex, 14/12/2012 por Antonio Gilberto

 

O exemplo quanto à conduta na Casa de Deus durante o culto deve partir dos pastores e demais obreiros que ocupam a plataforma. Aquele que conversa ou se comporta indevidamente no púlpito é irreverente, contraditório, intemperante, sem controle. Não se apercebe o tal que quem está na plataforma fica em destaque e que seus gestos, postura e atitudes são imediatamente notados pelos que estão em toda a nave do templo.
Também é reprovável o mau costume de certos obreiros ficarem subindo e descendo da plataforma sem uma imperiosa razão que justifique isso. O que poderão pensar os visitantes, crentes e descrentes? Quando um crente se comporta mal no culto, seja onde for, isso significa que ele não cresceu em sentido algum.
Precisamos de um culto mais solene, mais espiritual e mais pentecostal. O que está acontecendo em certos lugares é algo estranho, que nos leva a perguntar: "Que Deus é esse de vocês, que recebe esse tipo de culto, inferior, deturpado e misto?"
O templo não consiste apenas no seu recinto interior. O seu recinto exterior também é templo. Ali não deve haver mais desatenção, irreverência e conversa. Não deve haver aglomeração desnecessária de pessoas antes do começo do culto, e quem estiver de fora na frente e nos corredores externos do templo por falta de lugar no seu interior deve manter-se em atitude reverente como quem está na presença do Senhor.
 
O serviço de som, a música e os cantos
 
Se é costume da igreja a execução de música gravada ou não antes de o culto começar, que isto seja sob as ordens do pastor da igreja. Que a música seja em tom suave e apropriada para coadjuvar os momentos devocionais dos fiéis que estão chegando para o culto.
Deve haver um limite de números musicais a serem executados durante o culto pelos órgãos musicais da igreja e pelos cantores. Deixar essa definição por conta deles revela falta de sabedoria do dirigente do culto. Além disso, muita música hoje nas igrejas não é sacra, não é espiritual, não arrebata a alma, não fala ao coração, não edifica, não inspira, nem nos move a adorar a Deus. Não é “música de Deus”, como está escrito em 1 Crônicas 16.42. A música no culto deve ser um meio e um ministério para Deus revelar e manifestar a sua presença em nosso meio. Quando a música foi profanada nos primórdios da raça humana, como vemos em Gênesis 4.21-24 (essa passagem está em forma de cântico no original), veio mais tarde o julgamento divino.
Infelizmente, enquanto a congregação canta no máximo dois ou três hinos em todo o culto, solistas, conjuntos, corais e bandas cantam e tocam até 21 números (Como este autor sabe de casos!). Isso é também desequilíbrio, mau gosto, falta de discernimento.
Segundo as Escrituras, o incenso sagrado, o qual simboliza a oração e a adoração ao Senhor, era composto de vários ingredientes, mas todos de peso igual (Êx 30.34). O azeite vinha na frente (Êx 30.22-32) e depois vinha o incenso (Êx 30.34-38). O azeite fala do Espírito Santo. A predominância do Espírito de Deus na vida do crente e no ambiente do culto leva-o a uma profunda e santa adoração ao Senhor.

Os diáconos na igreja

O pastor ou dirigente do culto jamais poderá fazer tudo sozinho. Nem eles podem ver tudo sozinhos. No culto, os diáconos desempenham um papel muito importante. Uma de suas funções é acomodar o povo que vai adentrando o templo e, a seguir, ajudar a manter a boa ordem durante todo o culto, circulando discretamente, olhando discretamente, aproximando-se sabiamente de locais onde notar movimento e comportamento anormais.
Os diáconos escalados para o culto não devem ficar sentados. Seu trabalho é executado sempre em pé. Devem estar sempre atentos a qualquer sinal do púlpito para ajudar. Mesmo o diácono que não está escalado para o culto deve estar sempre atento para ajudar a sanar qualquer dificuldade que venha a surgir.
Uma das lembranças mais queridas da minha vida inicial na fé é a dos diáconos da minha igreja, empenhados com todo amor e boa vontade e sempre solícitos na boa manutenção do culto.
No próximo artigo, apresentaremos algumas recomendações gerais para um culto mais solene e espiritual.

13 comentários

jose mario

Muito bom,pr Antonio gilberto,que Deus continua te ordenando como escrever as mensagens proféticas. Mensagem de Deus,que pena, que muitos obreiros não terão o privilégio de meditar nesta mensagem e aprender ser obreiro do reino de Deus. Os quais são os responsáveis pelo crescimento espiritual da igreja.Pr Antonio Gilberto, vai nesta tua força e continua sendo o canal de benção do senhor Jesus, sobre nossas vidas. Aleluias!!!!!!!!!!!!!!

gilberto pereira marcolin

MUITO BOM , O QUE NOS VEMOS NOS CULTOS DE ALGUMAS IGREJAS E UMA DESORDE , PESSOAS ANDANDO NA ORA DO CULTO PRINCIPALMENTE NA HORA DA PREGAÇÃO MUITO OBRIGADO PELO ESTUDO QUERO APRENDER MUITO COM O SENHOR TENHO UMA GRANDE NECEEEIDADE DE SERVI A DEUS COMO ELE MERECE MIM AJUDE

Erivan Silveira

Parabens por esta postagem tão maravilhosa!!!! Vamos zelar pela obra de Deus por onde quer que estejamos. Londrina PR

josé antonio R da costa

Deus Abençoe o Pr Antonio Gilberto um grande homem de Deus.Excelente comentário.Muito edificante

Cleberson de Leme

A Paz do Senhor Pr. Antônio Gilberto; Fiquei muito feliz por ler esse artigo, pois nos corações de muitos servos do Senhor Jesus estamos enfrentando dias, que poucos obreiros tem essa reverencia quanto ao culto e a casa de Deus, mas vejo homens como o senhor Pr. Antônio Gilberto e fico feliz e inspirado a continuar crendo sempre nessas bases para uma vida de realizações na casa do nosso Deus. Um grande abraço ao senhor e toda sua família (At. Diacono Cleberson, Membro da AD Tupã/SP - @c

Ev.luiz carlos

pastor este é um problema que acontece em muitas igrejas,que Deus continue usando o senhor para combater esta falta de reverencia nos cultos um abraço´se for possivel seria uma honra ter o senhor em um culto na minha igreja. Ass.Deus do mirante em Campo Grande rua d.jauma costa 42 Santissimo rio de janeiro

sandra

Prezado, Pastor Antonio Gilberto. A exortação sugerida no artigo é edificadora de um obreiro que mantem a ética dos padrões e conduta cristã. Admiro seus ensinos e comentários. Feliz Natal e Um prospero Ano Novo!

Ronaldo Pereira Pimentel

Muito bom , sigamos estes exemplos deixados pelo pastor Antônio Gilberto .

Creusa Loureiro Lustri

Pr.Antonio Gilberto, muito,muito bom seu estudo pena que muitos não tem esse conhecimento Etica Cristã no culto, devereia ser um manual para os dirigentes de cultos em suas igrejas. Parabens que Deus continue a usar nestes ensinamento. A paz do Senhor

Aniro Montenegro

Muito bom este comentario. Gostaria que o senhor comentasse sobre os fundos musicais nas pregações.Se já existe um comentário me desculpe.Esta pratica já é muito comum durante nossos cultos e as vezes o fundo musical permanece durante o culto inteiro, será que isso é correto. A paz do Senhor

Guilherme Matheus Damasce

Excelente artigo, que expressa a importância de um culto que sirva ao Senhor com honra e qualidade.

Edvaldo Neto

A paz do Senhor pastor antonio, em Mateus 24.24, estes escolhidos se refere so a Israel? ou mais a quem? Me mande um estudo detalhado sobre este capitulo versiculo por versiculo. Agradece edvaldo Neto, Membro da AD em Poço Dantas-PB.

Grasiano

Muito bom esse comentario.

Deixe seu comentário







Perfil

Antonio Gilberto é consultor doutrinário da CPAD, membro da Casa de Letras Emílio Conde, mestre em Teologia, graduado em Psicologia, Pedagogia e Letras, membro da diretoria da Global University nos Estados Unidos e autor dos livros “Mensagens, Estudos e Explanações em 1 Coríntios”, “O Calendário da Profecia”, “O Fruto do Espírito”, “A Bíblia: o livro, a mensagem e a história”, “A Prática do Evangelismo Pessoal”, “Verdades Pentecostais”, “A Bíblia através de séculos”, “Crescimento em Cristo” e “Manual de Escola Dominical”, todos títulos da CPAD, sendo este último o seu maior best-seller, com mais de 200 mil exemplares vendidos.

COLUNISTAS

ARQUIVO