Colunistas

Pr. Antonio Gilberto

Pr. Antonio Gilberto

O ensino bíblico sobre a profecia (Parte 1)

Qua, 12/09/2012 por Antonio Gilberto

 

O escritor da Epístola aos Hebreus começa sua carta falando da revelação de Deus ao homem durante a História. Na sua primeira declaração, ao referir-se ao passado, ele afirma que o principal instrumento da revelação divina naqueles tempos eram os profetas: “Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, aos pais, pelos profetas...”, Hb 1.1.

Quem eram os profetas de Deus, de que fala o escritor bíblico? Como eram caracterizados?

Em primeiro lugar, o profeta do Senhor era aquele que recebia os oráculos de Deus para o homem. Em Romanos 3.2, Paulo afirma que aos judeus foram confiados “os oráculos de Deus”.

Em segundo lugar, o profeta era um porta-voz de Deus para os homens. Em Êxodo 7.1, lemos Deus afirmando que Aarão seria “o profeta” de Moisés, isto é, seu porta-voz. Em Lucas 1.70, no cântico de Zacarias, este servo de Deus afirma que Deus falou, desde o princípio, “pela boca dos seus profetas”.
Alguns nomes comuns aos profetas denotam sua função de porta-vozes de Deus. Eles eram chamados de homens de Deus (1Sm 9.7-10 e 2Rs 4.7ss) e videntes (1Sm 9.9,19 e 1Cr 29.29).

Em terceiro lugar, os profetas eram homens movidos pelo Espírito Santo (1Sm 10.6; 19.20 e 2Pd 1.21).
 
A missão do profeta de Deus e o objetivo da profecia
 
A missão do profeta de Deus era, basicamente, duas: expor os padrões da justiça de Deus nas esferas religiosa, política e social; e trazer da parte de Deus as verdades e doutrinas básicas das Escrituras.

A mensagem do profeta era plena de autenticidade e autoridade divinas. Isso pode ser visto no uso recorrente da expressão “Assim diz o Senhor”.
Quanto ao objetivo da profecia, ele está explícito em Apocalipse 19.10: “...porque o testemunho de Jesus é o espírito da profecia”. Esse texto bíblico é um tanto ambíguo no original, mas, quando se leva em conta a analogia geral das Escrituras, o seu sentido, sem dúvida, é de que o objetivo da profecia bíblica é dar testemunho de Jesus, exaltá-lo e revelar sua obra redentora.
 
(CONTINUA NA SEMANA QUE VEM)

3 comentários

ERASMO

QUE O SENHOR ,POSSA CONTINUAR ABENÇOANDO-O, COMO O TEM ABENÇOADO. DANDO-LHE, A VERDADEIRA REVELAÇÃO DAS VERDADES BÍBLICAS, AFIM DE QUE POSSAMOS SER INSTRUIDOS POR ESTAS, ATRAVÉS DE SEU MINISTÉRIO.

Uelinton

Olá pastor Gilberto, sou seminarista, estudo no seminário presbiteriano renovado de cianorte. Estou fazendo minha monografia sobre as pregações escatológicas do século no século XX e a influência que ela recebeu do contexto histórico deste mesmo século, especialmente as guerras mundiais e a guerra fria. creio que o pastor pode contribuir muito comigo. O pastor poderia conversar comigo por e-mail, se puder, avise-se por este espaço ou no meu próprio e-mail. desde já, muito obrigado

Damiao Gaia

nos dias de hoje o que observamos nos que se dizem profetas ´´ nao é mais autenticidade e autoridade divinas ´; mas sim falsidade e autoristarismo para beneficio proprio . mas ai daquele que diz assim o Senhor quando Ele não disse

Deixe seu comentário







Perfil

Antonio Gilberto é consultor doutrinário da CPAD, membro da Casa de Letras Emílio Conde, mestre em Teologia, graduado em Psicologia, Pedagogia e Letras, membro da diretoria da Global University nos Estados Unidos e autor dos livros “Mensagens, Estudos e Explanações em 1 Coríntios”, “O Calendário da Profecia”, “O Fruto do Espírito”, “A Bíblia: o livro, a mensagem e a história”, “A Prática do Evangelismo Pessoal”, “Verdades Pentecostais”, “A Bíblia através de séculos”, “Crescimento em Cristo” e “Manual de Escola Dominical”, todos títulos da CPAD, sendo este último o seu maior best-seller, com mais de 200 mil exemplares vendidos.

COLUNISTAS

ARQUIVO